Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Mario Abdo, o conservador que tenta a presidência do Paraguai


Por Marcelo Cabral

Começo o ano abordando o panorama das eleições presidenciais no Paraguai, que ocorrerão em abril, bem como a nomeação e parte da biografia do candidato conservador Mario Abdo Benitez ("Marito"), através de eleições internas do centenário Partido Colorado, fundado em 1887 após a Guerra da Tríplice Aliança para resgatar a unidade nacional.

Mario Abdo Benitez tem 46 anos, nasceu em Assunção e é filho do ex-secretário particular do ex-presidente general Alfredo Stroessner, considerado por grande parcela da sociedade como o melhor mandatário do Paraguai, o qual governou o país entre 1954 e 1989. Formou-se em marketing político nos EUA e sagrou-se subtenente de aviação de reserva e paraquedista.

Mario filiou-se ao Partido Colorado ainda adolescente e entrou na política em 2004, a partir do movimento "Reconstrução Nacional Republicana". Mas somente em 2013, conseguiu vencer as eleições para o cargo de senador da República, ao qual renunciou para disputar a presidência. Tem posições claras no que tange à manutenção da constituição para assegurar o direito à vida e à família. Ainda é controverso quanto a questões econômicas, não aprofundando-as.

O ideal é que dê seguimento à abertura econômica para estimular a competitividade, a indústria nacional e os investimentos, consagrada pelo atual presidente Horacio Cartes, que pretende entrar numa chapa para ser senador. Seu principal opositor é o liberal Efrain Alegre, apoiado por Fernando Lugo, que foi cassado pelo parlamento em 2012 por diversas ilicitudes, e os comunistas do Partido Frente Guasu.

Não será uma disputa tão fácil, porém possui grandes chances de vitória, caso não haja dissidência interna e disputa de egos no coloradismo.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/