Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Filme sobre Winston Churchill é incrível, filmaço


Por Eduardo Vieira*

Esta noite fiz um programa especial. Fui ver, acompanhado da minha mãe, a pré-estreia do filme "The Darkest Hour", que conta a história da ascensão de Winston Churchill (primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial) e os desafios impostos pelos pacifistas idiotas que pregavam uma paz utópica com o Nazismo.

Algo assim meio parecido com o que pregam os especialistas em segurança no Brasil, como a malígna Vilona Zabo, que acham que basta não agredir o bandido e entregar tudo o que tem que o crime se resolve. Na mesma toada, Chamberlain e a besta Halifax pretendiam evitar a guerra com a Alemanha se rendendo de antemão, só que mudando o nome de rendição para acordo de paz. Lembrei também de Barack Obama, claro, aparentando pregar a paz e conseguindo apenas a guerra no lugar.

Aliás, pacifismo é uma das maiores e mais claras demonstrações de afastamento da realidade (pode também chamar de loucura) que conheço.

Então, sem dar spoilers: o filme é incrível. Gary Oldman fez o Winston Churchill definitivo. Eu sequer lembrava que era filme, parecia que estávamos ao lado do verdadeiro Churchill enquanto ele salvava o mundo ocidental.

É um filme de guerra sem um tiro sequer, mas nem por isso menos empolgante. Deveria ganhar todos os prêmios, mas só tem um negro, não aparece gay, não vi nenhum trans, muito menos Pablo Vittar, nenhum padre pedófilo e nenhum herói muçulmano vítima de terroristas cristãos. Então não deve ganhar nada. Mas apesar da futura falta de premiação, não se iludam. É um filmaço.

Destaco a cena onde o Rei da Inglaterra vai até Churchill dar seu suporte, numa atitude transformadora que ajudou a salvar o Ocidente. O Rei podia ser gago eventualmente, mas era humilde, sábio e corajoso.

Nota 10! Vá assistir assim que puder.

Esta pré-estreia foi realização do nosso estimado Ministro da Cultura, Sérgio de Sá Leitão, do Alexandre Borges e do Bruno Garschagen. A eles meus parabéns e agradecimentos por me proporcionarem programa tão agradável.

Fiquem de olho na programação do Cineclube Contexto.

*Eduardo Vieira é conservador de tradição anglo-saxã, defensor das liberdades econômica e indivial; e voluntário do Partido Novo. Reside no Rio de Janeiro, é professor de robótica e CEO na empresa Fun Factor. Foi convidado para ter sua resenha publicada em O Congressista.

O Congressista precisa de sua ajuda. Nos faça uma doação através de nosso apoia.se

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/