Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Caso dos folhetos Hirota Food mostra autoritarismo dos progressistas


Por Henrique S. R. Silva

O supermercado paulista Hirota Food lançou uma cartilha religiosa que critica o casamento gay, relações sexuais fora do casamento,adultério e aborto, posições contrárias aos dogmas cristãos. Diante disso, a militância progressista fez um intenso ataque à rede de supermercados, sempre atacando suas postagens e dando rating de uma estrela na avaliação da página do Facebook.

Após isso o supermercado fez um comunicado oficial alegando que jamais incitou homofobia ou quaisquer tipos de preconceito.

Na sexta feira, dia 22/12, o Ministério Público mandou o supermercado retirar as cartilhas e ameaçou tomar medidas judiciais caso não seja atendido.

Aqui temos um caso de autoritarismo do MP, que quer censurar a liberdade de expressão. A liberdade de expressão é um direito constitucional. O supermercado tem o direito de distribuir suas cartilhas e os movimentos contrários possuem direito de discordar, mas o Estado não tem o direito de censurar. Trata-se de uma imensa hipocrisia, pois o mesmo MP não aplicou sanção alguma na exposição pedófila do MAM, aquela sim deveria ser censurada para menores de idade, pois pedofilia obviamente é crime.

Autoritarismo também da esquerda, pois os mesmos grupos que alegam pregar ''amor de tolerância'', fazem verdadeiro escândalo contra quaisquer tipos de manifestações cristãs.

Isso não é novidade, pois o MP está aparelhado e trabalha a serviço da esquerda para destruir valores tradicionais e cristãos.

O Congressista precisa de sua ajuda. Nos faça uma doação através de nosso apoia.se

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/