Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Esclarecimentos sobre a situação de Kuczynski e Fujimori no Peru


Por Marcelo Cabral

Após pedidos, vou descrever a verdade, através de fatos, a respeito da rejeição ao impeachment do presidente peruano Pedro Pablo Kuczynski (PPK), bem como o indulto humanitário ao ex-presidente e engenheiro Alberto Fujimori. Ignorem análises baseadas em ativismo político camuflado de informação por parte da grande mídia.

A) PPK, o atual presidente, é um velho lobista globalista conhecido de grandes corporações mundo afora. É acusado contundentemente de receber propina de 5 milhões de dólares da Odebrecht por meio de consultorias ligadas a empresas que seriam dele ou vinculadas a ele, como Westfield Capital e First Capital. A própria empreiteira já assumiu a remessa destinada a ele.

B) PPK foi ministro de economia e primeiro-ministro do ex-presidente esquerdista Alejandro Toledo, prófugo da justiça nos Estados Unidos. Poderá ser extraditado ao Peru a qualquer momento e ser detido, assim como foi o ex-presidente chavista Ollanta Humala e sua esposa, a comunista Nadine Heredia. Ou seja, todos estes personagens são acusados de receber milionárias propinas da Odebrecht em troca da concessão de faraônicas obras públicas.

C) PPK foi um dos que se solidarizaram com o que ele chama de "golpe" contra a nulidade Dilma Rousseff no ano passado. Assim como a velha guarda esquerdista, ele busca vitimizar-se, direcionando toda a artilharia contra Fuerza Popular, partido fundado e liderado pela ex-congressista Keiko Fujimori.

D) A instabilidade e os abusos do desgoverno de PPK se notam com a queda de cinco ministros em menos de um ano e meio de gestão.

E) O Congresso peruano então decidiu, por incapacidade moral, abrir uma votação para destituir PPK. Eram necessários 87 votos, das 130 cadeiras que compõem o Congresso no total. Fuerza Popular, de Keiko, conta com 71 parlamentares.

F) Durante o dia da votação, na semana passada, o parlamento rejeitou o impeachment. Dos 87 votos, PPK obteve 79 pela sua saída. Dos 71 congressistas do fujimorismo, 10 se abstiveram de votar. Apenas 61 votaram a favor. Por que houve isso? Kenji Fujimori, um neófito embrutecido, tinha feito um pacto com PPK para dissuadir ao máximo os parlamentares de sua base para arquivar a destituição em troca de um indulto humanitário para a liberdade do pai, o engenheiro Alberto Fujimori. Assim foi feito: a permanência do lobista em troca do indulto de Fujimori.

G) Kenji Fujimori, o 'garoto mimado', sempre teve uma relação muito conturbada com a irmã, Keiko, por inveja e por não possuir a capacidade de montar bases em todo o país e tampouco mobilizar camadas sociais em torno de uma liderança. Keiko sempre foi mais dotada de bagagem intelectual e respaldo entre trabalhadores, profissionais liberais e camponeses. A prova está em seu excelente coeficiente eleitoral em cada eleição que disputa. Kenji se destaca por desobedecer as diretrizes do Partido Fuerza Popular, tendo sido submetido algumas vezes a processo disciplinar.

H) Alberto Fujimori está sob tratamento médico. Tem 79 anos e padece de uma série de enfermidades: já teve câncer na língua, AVC e atualmente sofre de arritmia e hipertensão. Independente de o filho ter vendido a alma ao diabo, cedo ou tarde o indulto viria porque Fujimori segue detido desde 2009 por muitos delitos com base apenas no surgimento repentino de "testemunhas". Não é errôneo associar o caso dele ao que sucedeu contra o venezuelano Leopoldo López, vítima de julgamento político e provas plantadas.

I) Fujimori cometeu erros? Sim! No entanto, quando surge uma comissão unilateral (apenas com integrantes de um espectro ideológico) para cometer revanchismo, é para nutrir muito ceticismo. Seus acertos são infinitamente superiores: combateu grupos narcoterroristas de esquerda como Sendero Luminoso e Movimento Revolucionário Túpac Amaru (MRTA), responsáveis pelo extermínio de mais de 70 mil peruanos civis, através de atentados e sequestros. Além disso, nos anos 90 (foi democraticamente eleito em 1990 contra o liberal globalista Mario Vargas Llosa), abriu a economia, atraiu mercados, incrementou a competitividade, privatizou estatais corruptas, promoveu centenas de obras de infraestrutura (aeroportos, escolas, pontes, estradas, hidrelétricas...), implementou o crédito agrícola, injetou recursos para potencializar o turismo, simplificou tributos.

J) O Peru estava sitiado pelo terrorismo. Combate-se uma guerra não com pombas ou bandeira branca e sim com coerção.

L) Quanto a denúncias de esterilizações forçadas por ordens de Alberto Fujimori, isso é mentira. Essa medida nunca foi política de Estado. Seu governo propôs reduzir a taxa de natalidade, a partir de distribuição de camisinhas e procedimentos cirúrgicos voluntários, como a ligadura de trompas. Houve, sim, responsabilidades individuais por parte de alguns profissionais e estes naturalmente já respondem processo judicial. Pelo menos neste processo, Fujimori foi declarado inocente pela corte peruana por não haver indícios da participação do Estado.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/