Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

[OPINIÃO] A tentativa de redistribuir a riqueza deixou a Venezuela mais pobre: isso é socialismo


Por Matheus Spezzoto

Em 1914, enquanto o mundo se desencadeava em uma batalha militarista, a Venezuela era somente um palco de instabilidades políticas, principalmente por ter mantido — após a sua Independência — suas políticas primitivas, como burocracias sufocantes e o sistema mercantilista. 

Porém, suas particularidades inconvenientes e degradantes vieram a ter um alívio momentâneo com a descoberta do petróleo e os decretos do ditador Juan Vincente Gómez, para que acontecesse a exploração desses recursos por investidores, empresários e estrangeiros. Um pouco mais tarde, o regime de Pérez Jiménez estabeleceu uma economia relativamente livre. Rapidamente, a Venezuela se tornou um dos países mais prósperos da América Latina e conquistou a posição número 4 no ranking mundial de PIB.

Já em 1958, as políticas de dar mais liberdade para o empresariado despertaram sentimentos desagradáveis em meio a militância esquerdista, estabelecendo assim a queda de Pérez Jiménez, e, mais tarde, a criação do executivo, legislativo e judiciário por Rómulo Betancourt, um ex-comunista que flertava com a nacionalização e estatização de toda indústria petrolífera. As consequências do governo de Betancourt foram inevitáveis: desvalorização da moeda, ocupações de terra (tais como vemos hoje com o MST) e uma ordem constitucional que dava a garantia para o governo praticar intervenções econômicas.

Já o governo de Hugo Chávez veio com a proposta de redistribuir a riqueza. Para atingir tal objetivo, o bolivariano instaurou políticas de controles de preço, o que gerou a uma escassez generalizada de recursos e bens essenciais para a sociedade. Como se não fosse o bastante, a moeda continuou super desvalorizada, prejudicando importações e negociações.

Com Nicolás Maduro, temos uma preservação da áurea revolucionária, colocando sua causa à frente da liberdade alheia. A opressão estatal para com quem se nega a concordar com o governo é explícita, a prisão de opositores políticos é acionada, a censura e a coerção são presentes. As causas da falta de recursos são colocadas na própria população, afinal, para Maduro, falta papel higiênico pois a sociedade anda evacuando demais. E, claro, como esquecer dos picos de inflação?

Isso se chama socialismo, e não, ele não foi deturpado.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/