Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

[Tire Dúvidas] Se o Brasil fosse monarquia, Temer já estaria demitido e Congresso dissolvido? Verdadeiro


Por Wilson Oliveira

O Brasil está vivendo um verdadeiro clima de instabilidade e incertezas políticas. Existe uma denúncia de corrupção contra o presidente Michel Temer que foi rejeitada no Congresso Nacional e colocou a direita brasileira, mais uma vez, em posição de combate entre si, além de ter provocado uma nova sensação de derrota para a esquerda, que já havia experimentado tal sabor no impeachment de Dilma Rousseff, em 2016. Mas por que tudo na política brasileira tem que ser assim, tão sofrido? A resposta é simples, curta e direta: porque vivemos no sistema presidencialista, a mais burocrática de todas as opções de uma democracia.

Nesta edição do Tire Dúvidas, utilizamos um vídeo do canal Quarto Poder para explicar que se o Brasil ainda vivesse uma monarquia, primeiro não teríamos um presidente, mas sim um primeiro-ministro. Supondo que este cargo fosse ocupado por Michel Temer, aí vem a boa notícia: não seria necessário nenhuma burocracia para resolver essa crise. O monarca poderia simplesmente demiti-lo do cargo e convocar novas eleições. Além disso, o imperador do Brasil poderia determinar que nenhum réu disputasse as eleições.

Segue abaixo a transcrição de um trecho do vídeo "Monarquia no Brasil? QP#10", do canal Quarto Poder:

"Na monarquia não há a figura do presidente, mas sim a do primeiro-ministro. O primeiro-ministro é só chefe de governo, quem governa de fato. O chefe de Estado é o monarca. O Parlamento, eleito pelo povo, elege o primeiro-ministro, que pode ser aprovado ou não pelo monarca.

O Parlamento pode demitir esse primeiro-ministro. (...) O monarca também pode demitir o primeiro-ministro, mas esse não é o poder mais legal que o monarca tem. O poder mais legal vou contar agora.

Eu sei que é difícil nós, brasileiros, imaginarmos essa situação hipotética, mas vamos fazer uma forcinha (ATENÇÃO: contém ironia). Vamos supor que o nosso Congresso se envolva em uma escândalo de corrupção. Eu sei, é uma situação beeeem hipotética. Aqui no Brasil a gente não vê essas coisas...

O monarca, nesse caso, pode simplesmente dissolver o parlamento, mandar todo mundo embora e convocar novas eleições. E é justamente por esse poder que o monarca tem que as coisas costumam funcionar numa monarquia. Quando acontece algo do tipo, os próprios parlamentares resolvem a parada: expulsam os corruptos dando fim à crise".

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.