Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

[CRÔNICA] Bolsonaro acerta politicamente ao votar contra Temer. Os erros dele são outros


Por Luis Cláudio

Nesta quarta-feira (2), o Presidente Michel Temer assegurou expressiva maioria a seu favor na Câmara dos Deputados, obtendo êxito com o arquivamento da denúncia oferecida pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot.

Devo admitir que a qualidade dos discursos durante as proclamações de votos foi bem superior à votação ocorrida quando da denúncia contra a então Presidente Dilma Rousseff. Em vez de "por minha família, meus cães e gatos...", ecoou mais o "pela estabilidade, pela democracia...".

Porém, como sempre, o deputado que mais causou polêmica ao proferir seu voto foi Jair Bolsonaro (PEN-RJ). Havia alguma expectativa de que o parlamentar votasse de maneira diferente, senão favorável à denúncia? Bolsonaro sempre deixou muito claras suas posturas em relação à gestão Temer. Sendo assim, não houve qualquer espanto de seus eleitores/seguidores ou mesmo de seus adversários.

Mesmo assim, alguns jornalistas não se contentaram com a postura do deputado. Não me refiro aos da esquerda, mas, aos da chamada "new right". Carlos Andreazza, jornalista do O Globo, afirmou que o parlamentar seria um deturpador do ideal conservador, que usa o discurso moralista para ludibriar os direitistas, sendo "só mais um oportunista", como falou em seu programa de ontem na Radio Jovem Pan.

Rodrigo Constantino e Luciano Ayan também se posicionaram contrários ao voto do deputado, afirmando que, ao votar contra Michel Temer, Bolsonaro estaria em sintonia com os partidos de esquerda, corroborando as suas respectivas candidaturas presidenciais em 2018.

Bom, como todos sabem, Bolsonaro deve estar acostumado a levar tomates da imprensa. Mas, nem por isso, todas as críticas feitas a ele são corretas; e, antes de qualquer coisa, quero deixar claro: não sou apoiador/seguidor/eleitor do deputado! Isso pode deixar irritados muitos dos que seguem este site, mas, convido-os a baixarem um pouco a guarda e acompanharem o meu raciocínio daqui em diante.

Foi um erro estratégico Bolsonaro votar contra Temer? Resposta: não! Na verdade, o deputado agiu sabiamente, mantendo a coerência de seus discursos críticos ao governo. "Ahh, mas Temer garante a estabilidade". Isso é verdade? Em parte, sim. A política econômica da gestão federal está bem encaminhada, embora, volta e meia, a mentalidade ainda ligeiramente estatizante do ministro Henrique Meirelles o faça apostar no aumento de tributação, ao invés de priorizar os cortes de despesas desnecessárias na própria Administração, o que prejudica ainda mais o setor produtivo.

E, mesmo que Temer haja trazido algum conforto ao mercado, fazendo os devidos ajustes nas contas públicas, pesando contra ele denúncias graves, deveria ser sim investigado e processado, oras! Ou a Constituição prescreve de outra forma?
Apesar disso, Bolsonaro acertou ao votar contra o governo, garantindo alguma reserva de palanque para a eleição presidencial do ano que vem.

Ora, Bolsonaro já havia se posicionado contrário à Reforma da Previdência antes mesmo da delação-bomba dos irmãos Batista. Não seria coerente esperar que ele votasse a favor de Michel Temer, alegando a necessidade de assegurar-se as reformas ou a "estabilidade", mesmo porque, o próprio Bolsonaro votou favoravelmente à Reforma Trabalhista, uma das "meninas dos olhos" do governo Temer. Malgrado as circunstâncias da denúncia a tornem inepta para ser admitida no Supremo Tribunal Federal, não houve erro político de Bolsonaro nesse quesito.

Agora, se por um lado, Andreazza, Constantino e Ayan tenham errado feio em atacar o voto do deputado, acertam, ainda, ao caracterizá-lo como oportunista travestindo a bandeira liberal-conservadora. Desenvolverei esse assunto melhor em outro post, no qual comprovo que o parlamentar que move as massas de direitistas e possui milhões de seguidores/eleitores, apesar de tentar transparecer que "ventilou as ideias", permanece com pensamento ainda estatizante e, de certo modo, "sindicalista" com os militares.

Em verdade, em todo esse contexto, muito me angustia que a direita brasileira, tão carente de representantes decentes na política, caia apaixonada nos braços de um galanteador falastrão que fala aos ouvidos de conservadores e liberais aquilo que lhes convém, não havendo, de fato, transformado seu espírito e seus ideais. Coitados de nós!

Um comentário:

  1. E qual seria sua opção a Bolsonaro (ou acha que devemos fazer como Constantino , Andreazza e cia, em suma, atacá-lo e enfraquecê-lo mesmo sem termos outra opção, o que apenas fortalece a Esquerda)?

    ResponderExcluir

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.