Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Alexandre Borges: direita precisa saber diferença entre nova e velha esquerda para combatê-las


O comentarista políticos Alexandre Borges, em sua coluna desta quarta-feira na Gazeta do Povo, chamou atenção da direita afirmando que é preciso saber a diferença entre velha esquerda, associada ao PT, e a nova esquerda, identificada com o PSOL, para combatê-las com eficácia.

Escreveu Borges: "Entender a diferença entre a velha e a nova esquerda, que está longe de ser sutil, é fundamental para que você entenda quem está combatendo. A nova esquerda, cada vez menos interessada em economia ou no fim imediato do capitalismo, fez uma improvável parceria com algumas das maiores empresas e fortunas do mundo para avançar sua agenda social".

Em outra parte do texto, intitulado "Pau que bate em Chico e a nova esquerda", Borges falou sobre o fato dos representantes "new left" dizerem que "não são de direita nem de esquerda" por quererem se apresentar como centristas. O comentarista escreveu sobre as ações dessa esquerda que tem vergonha de dizer que é de esquerda:

"A nova esquerda ama Barack Obama, Justin Trudeau, Emmanuel Macron e toleram provisoriamente Ângela Merkel porque sabe que eles farão o possível para facilitar a entrada indiscriminada de imigrantes nos principais países do Ocidente, o que ajudaria a destruir a herança civilizacional cristã e aumentaria exponencialmente o número de clientes do estado e, por tabela, de eleitores da própria esquerda. Os novos ícones da esquerda “centrista” mundial farão tudo para desnortear a manifestação natural da sexualidade dos jovens, ajudarão a criminalizar o debate livre de idéias até nas redes sociais e destruirão o que ainda resta de ensino superior e do jornalismo tradicional, transformando as antigas universidades e veículos de comunicação em seus think tanks".

Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.