Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

[OPINIÃO] Aumento da violência em Londres é totalmente culpa dos políticos


Por Davi Alves

Polícia e cidadãos desarmados. Muçulmanos e políticos inúteis. Tudo isso é responsável pelos ataques com ácido a mulheres em Londres. Nós, brasileiros, sabemos muito bem o que coisas como controle de armas fazem. O Brasil é o país mais perigoso do mundo em grande parte por causa disso. Dos países desenvolvidos, o Reino Unido, no ranking de países listados de acordo com a posse de armas, é o último. Não são apenas os cidadãos britânicos que são desarmados - os policias também. E esse é um dos motivos para a criminalidade ter crescido 48% em Londres. Procure no Youtube vídeos como “police cuck” - é completamente constrangedor.

Diferente dos políticos que acham que outra coisa não pode ser feita como armas, os criminosos sabem e agora usam facas e outros tipos de lâminas para cometer seus atos. Já passam de mais de 12 mil infrações registradas, sendo 60 pessoas esfaqueadas apenas em Londres. As leis de desarmamento são descritas como draconianas. O chamado “Decreto das Armas de Fogo”, de 1997, que teve amplo apoio do primeiro-ministro da época Tony Blair, do Partido Trabalhista, baniu completamente todas as armas do Reino Unido, inclusive revólveres e pistolas, permitindo no máximo o porte de pistolas a ar. É óbvio que isso não deu certo.

Outro fator para a criminalidade está crescendo no Reino Unido (especificamente na Grã-Bretanha: Inglaterra, Escócia e País de Gales. A Irlanda do Norte, ficando fora disso.) é o fator religioso. O fanatismo presente no islamismo é um problema também criado por políticos, que são os responsáveis por aceitar milhões de seguidores desta fé. Até mesmo no Alcorão, o islamismo mostra sua face sanguinária em frases como “os piores inimigos dos fiéis, entre os humanos, são os judeus e os idólatras” e “matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os”. Nada de religião “da paz” e do “amor” como falam os jornalistas, certo?

Um crime que vem sendo praticado frequentemente em Londres e em grandes cidades do Reino Unido são os ataques com ácido. Aconteceram 162 em 2012, e 454 no ano passado. Neste ano, já passam de 200. Nos últimos dias, em menos de uma hora, houve cinco ataques em Londres. Newham é o distrito londrino com mais ataques: o numero em 5 anos já passa de 400, fato interessante para o local conhecido como “o distrito mais etnicamente diversificado do Reino Unido”. Não é tentando achar semelhança, mas o país com mais ataques com ácido do mundo é o miserável Blangadesh, onde há a maioria é muçulmana, os cidadãos e policiais são desarmados e os políticos são inúteis. 

Armas não disparam sozinhas, facas não caem do céu e ácido não é lançado no rosto de uma mulher sem uma pessoa ter feito isso. Como falam alguns deputados do Partido Conservador, se o tal decreto de controle de armas fosse anulado isso daria um pouco de chances aos cidadãos britânicos. O Reino Unido está sentindo o que a imigração está importando: Allah e ácido são produtos da “diversidade”, configurada apenas na presença daqueles que são queridinhos da mídia e dos partidos de esquerda: os muçulmanos.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/