Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Geert Wilders, o liberal de direita que enfrenta o progressismo do establishment holandês


Por Davi Alves

Nesta quarta-feira, 15 de março de 2017, no decorrer das eleições legislativas holandesas, teremos um dia em que outra vez a decadente União Europeia e suas políticas de imigração massiva, excesso de politicamente correto e seu esforço para acabar com as soberanias nacionais dos países membros será testada nas urnas. Com isso, mais uma vez a centralização europeia de poder corre o risco de sofrer (outra) grande derrota como foi no Reino Unido, com o Brexit. Só que agora o inimigo do bloco europeu é outro: o político Geert Wilders e seu partido “Partij voor de Vrijheid”, que em português significa “Partido para a Liberdade”.

Wilders tem 53 anos, é agnóstico e entrou na política no ano de 1997. Sempre foi abertamente um crítico da imigração massiva de povos de países islâmicos. Exatamente por isso era freqüentemente uma piada para a mídia “progressista”. Mas a partir de 2004, depois da polícia prender dois homens que planejavam assassinar o político e a famosa escritora feminista Ayaan Hirsi Ali, o nome de Geert Wilders começou a ter importância e a ganhar destaque nacional em toda Europa.

Após esse episódio Wilders foi ameaçado várias outras vezes, estando na lista negra da Al Qaeda. A última ameaça foi em 2010, quando uma jornalista esquerdista chamada Karen Geurtsen, da revista HP-De Tijd, revelou que se infiltrou no partido para tentar assassinar Wilders. E mesmo afirmando que poderia ter feito isso, adivinhem? Não foi presa. Como conseqüência disso tudo, agora Wilders possui um segurança que presta serviço diariamente, para todo local que o político vai. Wilders também é acompanhando por cinco policias à paisana e vive em uma casa do governo, equipada à prova de balas e que possui um “quarto do pânico” para refugio caso seja invadida. Uma curiosidade: a polícia não permite Wilders receber visitantes sem antes serem verificados os antecedentes.

Geert Wilders foi por muito tempo membro do partido liberal de centro-esquerda “Volkspartij voor Vrijheid en Democratie”, que em português significa "Partido Popular para a Liberdade e Democracia" - é a legenda do atual Primeiro-Ministro e seu maior adversário nas eleições Mark Rutte. Geert declara-se como “um liberal de direita” e um “fundamentalista da liberdade de expressão”, e já afirmou que a ex-primeira ministra britânica Margaret Thatcher é seu “maior modelo político”. Ele tem como propostas econômicas, diferente de Marine Le Pen na França, a defesa do livre mercado, a redução de impostos e a oposição ao protecionismo econômico. É contra o aborto, apoia um maior controle sobre o consumo da maconha, que é legalizada na Holanda.

Em relação a União Europeia, Wilders já falou que caso seja eleito, seu país só permanece na organização se o parlamento europeu e o euro forem extintos para que assim "as soberanias nacionais sejam restabelecidas", algo que ele não acredita que acontecerá. Na questão imigratória, o liberal de direita é favorável a que toda a imigração islâmica seja interrompida imediatamente - ele afirma constantemente que "o Islã é o cavalo de troia na Europa”. Outro destaque é a defesa que ele faz que todos imigrantes que tenham quaisquer suspeitas de terrorismo sejam expulsos da Holanda.

Wilders escreveu um best-seller intitulado “Marcado para a Morte”, onde ele fala sobre a “islamização” da Europa. Outro fator importante sobre o liberal de direita Geert Wilders é que ele morou por anos em Israel e assim tornou-se um ferrenho apoiador do estado judaico, que ele chama de “A luz do fim do túnel do Oriente Médio”.

Para governar, Wilders está igual ao filme de 1999 do Tom Hanks: à espera de um milagre. Ele tem tudo para vencer a eleição, é o candidato em primeiro nas pesquisas desde o fim da última eleição, mas as chances de governar são quase nulas pelo fato do sistema eleitoral holandês ser parlamentarista. Em razão disso, todos os outros partidos já afirmaram que não formarão um governo de coalizão com ele. Desta forma, fica fácil para o liberal de esquerda, Mark Rutte, atual primeiro-ministro, continuar no cargo com sua política pró-Europa e pró-islamização.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.