Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Brasileira residente nos EUA faz relato sobre rótulos colados em Trump



Por Du Pock
Brasileira residente nos Estados Unidos
e autora convidada de O Congressista

Tenho conversado com alguns brasileiros sobre o resultado das eleições aqui nos EUA. Pessoas comuns, gente que faz parte do meu dia a dia. Como deve acontecer com muitos de vocês, a grande maioria das pessoas que me relaciono não é tão ligada em política, não acompanha "tão de perto" todos os contrastes e nuances, buscas de fontes mais primárias etc. Apesar disso, praticamente todas elas se consideram bem "antenadas" sobre o tema, tanto da realidade brasileira quanto da americana, curiosamente. Tem fortes posições a favor e contra alguma coisa, sabem o que anda "circulando" nas manchetes etc.

Pois bem... De uns dias para cá, movida pela minha curiosidade e senso crítico, procurei ao máximo tentar entender como essas pessoas conseguem assimilar essa onda "anti-Trump". Ok! Eu sei do peso da mídia, da boataria jornalística, da repetição de mantras na TV. Porém, o que me fez parar para pensar é que mesmo com toda essa propaganda, tem que existir algo que ressoe internamente na pessoa, para que ela absorva e compartilhe todos esses rótulos lançados massivamente.

É preciso que exista uma âncora para que todos esses rótulos possam ser fixados. Nessa minha investigação, notei que em 100% dos casos essas pessoas comuns alegavam que tinham ouvido, tanto em debates quanto em comícios, o próprio Trump proliferando esse discurso de ódio, em alto e em bom som, para quem quisesse ouvir. Que elas haviam ouvido da boca do candidato.

Bom, dito isso fui buscar na realidade onde estavam esses discursos xenófobos, racistas, intolerantes. Passei a noite buscando vídeos, entrevistas, enfim, material que sustente essas alegações criminosas. Fiquei intrigada, pois não é possível que eu, apesar de ter acompanhado o mais de perto e in loco que pude, tenha deixado passar essas declarações tão inflamadas. Sou latina! Sou imigrante!

Busquei e continuo buscando, mas até agora nada. Estou buscando em inglês, em português e... nada. Encontrei vasto material intitulado "Compilação das maiores besteiras ditas por Trump"; "Donald Trump e discurso de ódio"; "Trump e ódio aos latinos" etc. Adivinhem? Na grande maioria o conteúdo desses vídeos são edições e opiniões de jornalistas e formadores de opinião. Zezinho conversando com Joãozinho sobre os discursos xenófobos... Mas o discurso que é bom? Nada.

Em inglês existem vários trechos dos discursos "racistas", mas mesmo assim, apesar do esforço para descontextualizar, fica sempre bem claro ao que ele esta se referindo.

Minha conclusão é a seguinte: as pessoas estão no piloto automático. Existe um dano na consciência que já está instalado e é um problema social grave. Quando você assiste e ouve essas edições e recortes de discurso de "ódio" que não está lá, não é possível que uma consciência normal entre em negação tão profunda e "ouça" aquilo que não foi dito. A coisa beira um tipo de alucinação coletiva. Paranoia.

Se você teve paciência em ler esse texto até o fim e gostaria de ajudar nessa investigação, o convido a postar um vídeo de discurso de ódio proferido por Donald Trump nos comentários. Me mostre, por gentileza, um discurso do sujeito que comprove que estou enganada, porque até agora não encontrei nenhum.


2 comentários:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/