Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

A virgindade política dos mais jovens que veem em Freixo o retrato de um "mundo melhor"


Por Wilson Oliveira

É quase impossível, no Rio de Janeiro, em um encontro com amigos do trabalho/estágio ou em uma reunião na faculdade - seja num curso de graduação, mestrado ou doutorado - conversar com um jovem que tenha mais de 16 anos e não escutar dele que o voto para prefeito em 2016 será em Marcelo Freixo. É, de fato, uma moda que se espalha pela cidade e atinge porcentagem impressionante. Esse fenômeno antes se concentrava mais em jovens universitários que estudam ou moram na zona sul. No entanto, agora está se expandindo para jovens do ensino médio e para os recém formados, assim como aqueles que estão ingressando ou ingressaram há poucos anos no mercado de trabalho.

Dados da última pesquisa Ibope, divulgada no dia 27 de setembro, mostram que a primeira colocação absoluta entre eleitores de 16 a 24 anos pertence a Marcelo Crivella. Isso se explica pela questão religiosa, também muito forte na cidade, que o faz disparadamente o favorito tanto entre os evangélicos como entre os moradores de comunidades carentes. Mas na briga pela segunda colocação, apesar de uma queda no gráfico, Marcelo Freixo aparece quatro pontos percentuais acima do terceiro colocado, Índio da Costa. No entanto, desde o início da campanha, especialistas têm observado uma transferência para Freixo de votos nessa faixa etária que seriam de Jandira Feghali, considerado votos úteis da esquerda, o que até a eleição pode aumentar ainda mais a sua distância para os demais.

Na conversa com esses jovens, ao se aprofundar na escolha do candidato, bastam mais alguns minutos para perceber um fenômeno: a maioria desses eleitores que iniciam sua trajetória na democracia não parou para ler a fundo as propostas de Marcelo Freixo - e também não possui uma noção exata do que significa a esquerda política no mundo atual. O critério de escolha desse eleitorado, em particular, que costuma ir na onda dos amigos, é um desejo de viver num "mundo melhor". Até por não terem pesquisado especificamente a plataforma de programa e de história política, também não perceberam que a trajetória da esquerda internacional apoiada pelo PSOL vai na contramão das melhorias significativas para o mundo ao longo das últimas décadas.

Freixo: aumentar atribuições municipais, como no transporte, mesmo sem dinheiro em caixa

Em entrevista a Revista Veja Rio, para apresentação das suas propostas, Marcelo Freixo afirmou que o objetivo do seu governo "será retomar o controle público sobre o planejamento das políticas de mobilidade urbana". Existem dois pontos importantes nessa afirmação. O primeiro trata-se de uma inverdade. O planejamento da mobilidade urbana jamais deixou de ser público no Rio de Janeiro. Foi o poder público (municipal) quem comandou a construção dos traçados do BRT, embora sua operação pertença a iniciativa privada, assim como também foi o poder público (estadual) quem definiu a construção da linha 4 do metrô, embora tenha contado com o auxílio da iniciativa privada. O segundo ponto é: de onde tirar verba para assumir atribuições que eventualmente estejam a cargo de empresas privadas? E como promover ações que não cabem ao poder executivo?

É um fato a necessidade de maior fiscalização nas relações e nos contratos firmados entre governo e iniciativa privada. No entanto, é um erro conceitual acreditar que isso caiba ao poder executivo, que é e sempre será uma das partes interessadas. Qualquer leitura dessa questão com um mínimo de bom senso concluirá que tal ação investigatória cabe ao Ministério Público e, caso irregularidades sejam comprovadas, à Justiça caberá qualquer medida punitiva. Portanto, quando Freixo afirma que "quer enfrentar o cartel do transporte, acabar com a falta de transparência e abrir a “caixa-preta” do sistema", ele está, na verdade, deixando a competência do cargo que ele disputa de lado para prometer que assumirá uma responsabilidade de outro poder, que certamente não é o da prefeitura, mas sim do Judiciário.

Marcelo Freixo também mostra uma visão equivocada ao bater sistematicamente na administração do transporte público do Rio de Janeiro. Embora ainda enfrente muitos problemas, como a Supervia e a prestação de serviços modais em horários de picos, avaliações e estudos junto a população mostram que mesmo assim o transporte é um dos itens que atinge melhor avaliação na gestão Eduardo Paes. Tanto o BRT como a racionalização das linhas de ônibus (que Freixo tanto critica) estão sendo responsáveis por reduzir os congestionamentos na cidade. Cidadãos que vão da zona sul para a Barra da Tijuca, de carro ou no transporte público, estão começando a perceber a diminuição de tempo gasto no trajeto. Da zona norte para a Barra acontece o mesmo. Segue abaixo o traçado da linha Transcarioca, do BRT, responsável por ligar o aeroporto Tom Jobim, na Ilha do Governador, ao Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca.

Marcelo Freixo propõe uma série de mudanças, como a transformação do BRT em transporte sobre trilhos, o que aumentaria a capacidade de passageiros. No entanto, em momento algum o candidato do PSOL explica como conseguir o investimento necessário para essa e outras obras. Por um lado dizendo que "não demoniza a iniciativa privada", mas por outro jurando que vai rever todos os contratos do poder público com empresas privadas, num tom bastante ameaçador, Freixo aponta sua plataforma para a estatização do planejamento e execução de qualquer plano urbano. Porém, em plena crise econômica, com a arrecadação pública obtendo queda em todas os níveis, Marcelo Freixo não teria outra saída a não ser aumentar a cobrança de impostos que, mesmo que seja direcionada aos mais ricos, acabará sendo repassada para os mais pobres através de itens de consumo.

A obra de revitalização de áreas na zona norte para construção do BRT Transcarioca só saiu do papel graças a contribuição da iniciativa privada. Confira no vídeo abaixo:



Freixo quer aumentar poder público sobre a saúde: ele ignora melhorias obtidas por organizações sociais

O cidadão carioca, principalmente o mais carente, tem duas realidades à sua frente: um governo estadual completamente falido, sem condições de administrar áreas importantes como a saúde, e um governo municipal numa situação não muito melhor, mas que buscou parcerias para a saúde, como as Organizaçoes Sociais (OSs), entidades privadas que prestam auxílio na administração de unidades hospitalares. De acordo com Piétro Sìdoti, especialista em Direito Administrativo pela Fundação Getulio Vargas (FGV), "um estudo patrocinado pelo Banco Mundial comprovou que os índices de mortalidade dos hospitais sob gerenciamento das OSs caem até a metade dos apresentados pelos hospitais da administração diretamente pública, e o custo de procedimentos e internações é sensivelmente menor nos centros gerenciados".

Ainda de acordo com o especialista da FGV, "cerca de um ano após a implantação, verifica-se maior assiduidade de médicos e profissionais da assistência. Isto se deve à mudança no regime de contratação, pois as entidades gerenciadoras atuam e contratam com base nas leis de direito privado". E certamente aí está um ponto de enorme queixa por parte de Freixo e seus apoiadores. Com uma forte presença em sindicatos de trabalhadores do serviço público, Freixo sempre foi contra a meritocracia. O PSOL é abertamente partidário da prestação pública de serviço, mesmo que isso signifique incompetência, péssimos resultados e metas não alcançadas. Para se ter a certeza da visão de Freixo sobre o assunto, basta pegarmos sua proposta para a área.

Na entrevista cedida à Veja Rio, Freixo citou o custo da parceria com as OSs, mas não comparou os resultados do modelo com uma administração totalmente pública, ignorou as melhorias e mesmo assim apontou sua proposta para a reestatização da administração na área de saúde: "O modelo de gestão das OS está custando cerca de 40% do orçamento da saúde e os resultados não vão ao encontro do quantitativo de recurso utilizados. Ou seja, os indicadores comprovam que o modelo além de caro não é eficiente. Defendemos a retomada do domínio público sobre a administração dos programas de saúde do município, com a implementação de um plano que promova em acordo com estrutura orçamentária do município a progressiva redução da participação das Organizações Sociais na administração das unidades de saúde, garantindo a continuidade na prestação dos serviços e criando novos postos de trabalho mediante concurso público para recompor o quadro de servidores, especialmente na rede básica e nos hospitais".

Novamente Marcelo Freixo tropeça na questão do orçamento, assim como nas suas promessas para o transporte e as outras áreas. Nem Freixo, nem seus apoiadores, muitos menos seus eleitores estão demonstrando a mínima preocupação com o fato do volume de investimentos em decorrência da Copa do Mundo e das Olimpíadas terem ficado para trás, assim como os eventos. E o que nos restou foi uma crise financeira ocasionada por medidas desastrosas apresentadas pelo governo federal do PT, que Freixo apoiou. A visão de aumento do poder público e da restrição da iniciativa privada significa justamente aumento do gasto público. Como as arrecadações estão caindo, será necessário aumentar a cobrança dos impostos, que recairão sobre os mais pobres. Não existe outro caminho para as propostas de Marcelo Freixo serem colocadas em práticas que não seja o sufocamento financeiro dos cidadãos do Rio de Janeiro.

Modelo político do PSOL é o governo chavista de Nicolás Maduro, na Venezuela

Para não ficarmos apenas na teoria ao explicar as propostas de Marcelo Freixo e dos demais candidatos do PSOL à prefeitura, como Luiza Erundina em São Paulo e Luciana Genro em Porto Alegre, temos exemplos práticos do modelo que o "Partido Socialismo e Liberdade" apoia. O governo chavista de Nicolás Maduro, responsável pelo impressionante empobrecimento da Venezuela, autor de medidas autoritárias para se manter no poder, com prisões arbitrárias de opositores, domínio ditatorial do sistema jurídico, dissolvimento do parlamento após derrota nas eleições legislativas e abertamente censurador ao proibir que veículos de comunicação divulguem reportagens que não sejam de interesse governamental, é o modelo cujo qual o PSOL se ancora para apresentar propostas aos cidadãos brasileiros.


O site oficial do "Partido Socialismo e Liberdade" divulgou uma nota manifestando não apenas uma aberta torcida por Maduro na última eleição presidencial (que foi acusada de fraude), como ainda informou o envio de uma comitiva para acompanhar a disputa. O pleito venezuelano foi cercado de protestos, ações arbitrárias da polícia governamental e prisões sem julgamento nem motivos previstos em lei. No entanto, ao reportar a situação no país sul-americano, o PSOL apresenta um texto completamente chapa branca, ignorando as inúmeras e excessivas ilegalidades cometidas por Nicolás Maduro.

Em uma reportagem do jornal "O Globo", publicada recentemente, no mês de setembro, há um retrato do estado de caos encontrado na Venezuela. De acordo com a publicação, "diante de uma grave crise econômica, um hospital se viu obrigado a acomodar seus bebês recém-nascidos dentro de caixas de papelão na Venezuela. Apertados em condições impróprias, eles dormem nos recipientes que são colocados sobre o chão porque não há berços. A imagem foi divulgada por um funcionário do hospital da cidade de Barcelona, no estado de Anzoátegui, em mais um retrato de escassez de itens médicos que atinge o país".


Em outra publicação, dessa vez do site "Spotniks", há uma listagem que explica e esclarece as incoerências que formam o espírito da legenda que distorce a história ao colocar socialismo e liberdade lado a lado. Logo de cara, o primeiro item traz a justificativa para o PSOL ser visto como espantalho partidário: a defesa de democracia sem democracia. O segundo item vai ao encontro do que foi dissecado neste artigo sobre as propostas de Freixo para o RJ: que taxar os ricos é mais importante que diminuir a carga tributária sobre os mais pobres. Há também destaque para outros pontos defendidos pelo partido, como a defesa de uma liberdade desde que se retire a liberdade de expressão; que a homofobia deve ser denunciada, menos se ela partir de líderes políticos de esquerda; e que uma suposta defesa da mulher está muito mais voltada para pautas partidárias do que uma legítima... defesa da própria mulher.

Na tentativa de angariar votos dos despolitizados, Marcelo Freixo se utiliza de uma estratégia bastante perceptível: a de evitar o uso da palavra "esquerda" em debates televisivos e discursos para o grande público. No entanto, os militantes do PSOL sabem que isso não passa de um blefe. Em um vídeo compartilhado no YouTube, Marcelo Freixo aparece fantasiado de ditador esquerdista promovendo uma doutrinação em uma mulher. Na encenação, a mulher inicialmente faz o papel de uma caricatura do que seria a direita na visão esquerdista, para depois terminar no papel de feminista que acredita estar lutando por seus direitos ao não se depilar.


43 comentários:

  1. EXCELENTE ARTIGO!!
    ESTOU NA TORCIDA AQUI PARA QUE ESSE FACÍNORA NÃO GANHE... SENÃO ESTAMOS ROUBADOS AQUI EM RJ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manda aí dados que ele faz isso como Deputado Estadual Marcelo. Sério quero saber.

      Excluir
  2. Engraçado, já percebeu que a esquerda é contra todo mundo? Direita, liberais e etc, só eles podem existir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é engraçado. É triste ver alguém defendendo algo que nunca deu certo em lugar nenhum do mundo, que causou as guerras mais sangrentas da história e as ditaduras mais cruéis.

      Excluir
    2. Pois a esquerda "representa" o povo, é papo da Revolução Francesa

      Excluir
  3. Em relação ao transporte público, se falou tanta asneira. A rede de transporte no Rio de Janeiro tem uma característica autossustentável. Eles definem tudo por conta própria no repasse de preço. O prefeito da o aval. Todos os setores são licitados. Não existe um controle publico real. Era apenas disso que o candidato Freixo falava. Pelo menos interpreto dessa forma. Vocês tem essa mania de olhar apenas um lado da moeda para tudo que fazem na vida. Essa página é extremamente manipuladora. E ainda vem com "virgindade política". HAUHAUhaUhAUhAUhAuAHuauHAUhaUhauhAu
    Estão tão desesperados que tentam diminuir a força do kra, que por ser professor, é claro que vai ter força com os mais jovens. São vocês mesmo que falam que a junventude é o futuro do Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os jovens, são facilmente, manipuláveis.

      Excluir
    2. Tem que existir a esquerda O rio bem como o Brasil na maioria foi governado pela direita e ai estamos desse jeito.os militares arrasaram o pais e agora o PMDB PSDB querem manipular são sempre os mesmos e os filhos e netos dos mesmos..Crivella não e Deus não me representa e Freixo e um caso a pensar..no momento não temos nada que va salvar a pátria.

      Excluir
    3. Catylucia a direita morreu no Brasil em meados dos anos 80, não sei do que estas falando

      Excluir
    4. Catylucia para de ler livrinhos do mec e vai numa biblioteca de respeito e procura ler livros de verdade,o regime militar até hoje, desde a época do Império foi o melhor regime que o Brasil teve. Se um dia vc ou sua família sofrer um assalto, um latrocínio,um estupro... Faz o seguinte chama a turma do PSOL,PSTU,REDE,PCDOB,PT... Para defender os seus direitos,seja coerente não chame nunca em hipótese nenhuma os militares. Vc deve pedir educadamente a esses partidos para iluminar a rua onde o crime contra vc ou alguém da sua família sofreu, pois na sua concepção os militares são os bandidos e a esquerda são seus protetores e sempre vão te defender e lutar pelos seu direito de poder ir e vir em segurança.

      Excluir
    5. Catylucia para de ler livrinhos do mec e vai numa biblioteca de respeito e procura ler livros de verdade,o regime militar até hoje, desde a época do Império foi o melhor regime que o Brasil teve. Se um dia vc ou sua família sofrer um assalto, um latrocínio,um estupro... Faz o seguinte chama a turma do PSOL,PSTU,REDE,PCDOB,PT... Para defender os seus direitos,seja coerente não chame nunca em hipótese nenhuma os militares. Vc deve pedir educadamente a esses partidos para iluminar a rua onde o crime contra vc ou alguém da sua família sofreu, pois na sua concepção os militares são os bandidos e a esquerda são seus protetores e sempre vão te defender e lutar pelos seu direito de poder ir e vir em segurança.

      Excluir
  4. 1 - "O segundo ponto é: de onde tirar verba para assumir atribuições que eventualmente estejam a cargo de empresas privadas?" Ué!?! Fácil essa hein!!! Do dinheiro que seria pago à empresa privada, que provavelmente tem lucros superfaturados como a maioria dos contratos públicos, pois são as mesmas empresas que financiaram a campanha de quem firmou os contratos.

    2 - "Portanto, quando Freixo afirma que "quer enfrentar o cartel do transporte, acabar com a falta de transparência e abrir a “caixa-preta” do sistema", ele está, na verdade, deixando a competência do cargo que ele disputa de lado para prometer que assumirá uma responsabilidade de outro poder, que certamente não é o da prefeitura, mas sim do Judiciário." Mentira!!! Deslavada!!! A prefeitura tem todo o direito/dever de controlar e auditar internamente todos os contratos e acordos da prefeitura, encaminhando ao MP as irregularidades encontradas. Existe um órgão de controle interno chamado controladoria geral do município que serve para isso, além de ser possível contratar auditorias externas e independentes para que o dinheiro público não vá para o ralo.

    3 - Depois dessas duas furadas não consegui mais ler o texto.

    ResponderExcluir
  5. desonestidade intelectual a gente vê por aqui.
    Discurso neoliberaleco estúpido sobre a saúde, dizendo que se ignoram as melhorias trazidas pelas OSs. Primeiro, porque apesar de empresas privadas ("sem fins lucrativos"), são bancadas com dinheiro público. Segundo, indicadores de saúde pioram independentemente da suposta melhora na assiduidade dos trabalhadores no setor. Além disso, fontes pra que, certo?

    ResponderExcluir
  6. Acho desnecessário comentários agressivos a opinião das pessoas voto é pessoal, assim como existem pessoas ignorantes que votam em corruptos claros e discarrados...se ele é minha intenção de voto indiferente de qual seja sua tem que ser respeitada isso é senso democrático e criticar opiniões diferentes mostra em vc uma imaturidade política.
    Opiniões diferentes e nenhuma é melhor que outra, mas não existe país que se construa sem isso.

    ResponderExcluir
  7. Isso é uma prova que os jovens não sabem votar, são ignorantes, é o famaoso "vou no embalo" ou " quero ver o circo pegar fogo" , muito triste, ver que logo eles, os jovens em quem se depositava a esperança de um brasil melhor é uma ilusão, uma utopia, sabem nada, querem bagunças, oba, oba, vamos entregar o rio nas mãos de baderneiros, black block e gente sem compromisso. Uma pena mas eu ainda acredito que vai mudar e não vaamos entregar a cidade nas mõas dos maus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. Jovens ignorantes.. N conversaram CMG, então N aceito que digam isso, n sou todo mundo

    ResponderExcluir
  9. Rapaz. Dizer que o transporte municipal é de controle público é brincadeira. Pode ser que no papel esteja formatado desta maneira, mas na prática todo mundo sabe que existe uma verdadeira máfia das empresas prestadoras de serviço. Quem declara isso não pode, por exemplo, morar no alto da Boa Vista. Onde foi feita uma campanha para se acabar com as vans, com total sanção da prefeitura. Hoje, os moradores do Alto são prisioneiros da empresa incompetente e exclusiva do trajeto, pondo número de composições insuficiente, que entopem de pessoas que não têm alternativa por que tem de ir para casa. Os ônibus quebram pelo menos três vezes ao mês. Onde está o gerenciamento público que não impede o monopólio absoluto não apenas do transporte como do bem estar das pessoas da região?

    ResponderExcluir
  10. A prefeitura PMDbista é omissa e cúmplice de tais tiranias.

    ResponderExcluir
  11. E, obviamente, a verba para o projeto vêm da passagem mais cara do país e do dinheiro dos contratos, certamente superfaturados, já que alguns donos de empresa tem ligações diretas, inclusive de parentesco, com membros do PMDB.

    ResponderExcluir
  12. Não suporto Marcelo Freixo! O considero um babaca esquerdista parado no tempo! Torço com toda minha alma para que este facínora defensor de bandidos não se eleja, mas estamos numa situação ridícula aqui no Rio, do tipo "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come...".
    Mas há alguns equívocos no artigo, principalmente no que tange à saúde! Eu, que vivo essa realidade no dia-a-dia, sei que não é bem o que foi citado.
    Pra começar, os médicos contratados pelas OS's ganham cerca de 2 a 3 vezes mais que os estatutários, que foram aprovados em concurso, tiveram que comprovar habilitação, capacitação, competência e especialização na área em que atuam. Cumprem a mesma carga horária. Já os contratados pelas OS's só precisam de indicação, ganham um salário mais alto e normalmente não tem a competência necessária para tal cargo, se tornando um peso a mais nas costas do estatutário. Normalmente são recém-formados ainda sem especialização, buscando uma renda interessante e fácil, para complementar no período da residência, já que são contratos temporários. Estes profissionais não tem espírito de equipe, não tem comprometimento com o serviço e com os colegas. Dizer que a mortalidade caiu e os custos diminuíram nas unidades sob controle das OS's é explicado pelo fato de nelas não haver falta de médicos, já que não há concurso público para o município do Rio há quase uma década. No estado, o último concurso foi em 2000. Os profissionais concursados estão se aposentando, envelhecendo e não são substituídos. Na minha unidade hoje somos 5 profissionais para cobrir 7 plantões, quando deveriam ser 14 profissionais. Com relação à redução de custos, esta redução não chega a ser significativamente importante quando é comparada com o aumento do custo de pessoal.
    De onde sairiam as verbas para concursar novos profissionais? Fácil: do dinheiro que vai pra OS's, que pagam em média de R$ 8.000,00 para médicos incompetentes e recém-formados e ainda recebem dos cofres públicos uma taxa administrativa que pode alcançar 25% da folha de pagamento. Ou seja, Se o médico recebe R$ 8.000,00 por mês, ele custa cerca de R$ 14.000,00 para a OS, e mais R$ 3.400 a R$ 4.000 de taxa administrativa, podendo sair cerca de R$ 18.000 para os cofres públicos. Eu, com 16 anos de concurso, ganho cerca de R$ 3.500,00 mensais, que devem chegar a um total de R$ 4.500,00 para os cofres públicos. Ou seja, com o pagamento de 1 médico na OS, se paga 4 médicos concursados. Se dobrar o salário de um médico concursado, ainda sai mais barato do que manter as OS's, porém o negócio mais interessante ainda é a OS, porque parte da tal taxa administrativa OBRIGATORIAMENTE se torna caixa 2 ou doação de campanha... Infelizmente! O famoso "toma-lá-dá-cá" da política brasileira!
    Preciso falar do transporte? Não, né? Mas segue a mesma linha de raciocínio...

    ResponderExcluir
  13. começa falando sobre uma frase dele "o objetivo do seu governo"será retomar o controle público sobre o planejamento das políticas de mobilidade urbana" não há nenhuma incoerência aí. porque o que ele está dizendo é que apesar do planejamento ser público, quem realmente toma as decisões são os donos das empresas de ónibus.
    Uma coisa que este rapaz não diz é que Freixo pretende rever a isenção de impostos para os empresários de ónibus. Isso cabe bem a ele, independentemente de poder judiciário qualquer. Só isso já traria dinheiro para fazer as mudanças das quais ele tanto fala. Além do que existe um estudo que mostra que mesmo que as passagens fossem aumentadas seguindo as taxas de inflação, ela deveria estar 3,30 hoje em dia e não 3,80. Fora o fato de que isso foi baseado em uma promessa do Paes de que haveria ar condicionado em toda a frota até agora e depois mudou o discurso para 2020. E outra coisa, todos os outros prefeitos tinham o rabo preso e dificultaram ao máximo a CPI dos ónibus. ele por outro lado, quer fazer isso acontecer. Independentemente se ele vai encontrar dificuldades ou barreiras, não é ótimo que alguém esteja disposto a fazer isso?

    ResponderExcluir

  14. Continuando, o transporte ter atingido índices de melhor avaliação na gestão do Paes não indica que é incrível, apenas que o resto não foi lá essas coisas. Freixo reconhece os feitos desta gestão. Acredita que os BRTs teriam sido mais bem proveitosos se fossem sob trilho pois se constituiriam realmente como transporte de massa, mas reconhece que melhorou muito a circulação. A maior crítica do Freixo em relação a racionalização dos ónibus é o fato de que foi feito sem a opinião pública, sem consultar às pessoas. E por isso, deve ser repensado.

    Proximo ponto: não dá pra saber realmente se temos ou não dinheiro pra fazer as coisas quando tínhamos políticos corruptos administrando a cidade. Não acredito que as coisas foram o melhor investidas possíveis. Acho que teve muita obra superfaturada e muito acordo espúrio, assim como licitações forjadas para empresas de gente que fazia parte do governo ou era amigo ou coisa que o valha. Entãi acredito sim que se uma administração estiver lá querendo realmente aproveitar o dinheiro para investir da melhor forma possível, somos capazes de criar mudanças e reformas. Fora o fato de que ele não disse que vai fazer esses trilhos. disse que deveriam ter sido feitos. Esta com certeza não é a prioridade dele em termos de mobilidade urbana.

    não vou nem comentar o fato dele ter usado um vídeo oficial do governo pra comentar as obras do BRT que nem fala nada sobre o que ele disse que iria falar. ok
    ele não vai acabar com as OSs. só quer que haja transparência e quer entender como estes contratos são feitos e que tipo de dinheiro circula nessa área. Tenho uma amiga médica que já me falou um pouco sobre. vou ver se pego mais dados depois pra te dizer.
    sobre Maduro e Venezuela: não acho que respeitar a soberania do voto popular signifique querer ser igual a eles ou ter o modelo deles. Na época que o sol reiterou apoio ao governo, O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) disse que “o Psol, por deliberação partidária, tem um enorme respeito pelo processo da chamada Revolução Bolivariana, o que não significa apoio incondicional em relação a nenhum país e, muito menos, interferência na soberania da Venezuela”.
    Uma das coisas principais que já diferencia o PSOL de cara com o que ele diz ser um governo autoritário é que as propostas de governo do PSOL foram feitas através de encontros com a população de vários bairros de todo o Rio de Janeiro durante dois anos em um programa que se chama "se a cidade fosse nossa". E propõe, mais do que nunca, participação social e integração da sociedade às decisões legislativas.
    A publicação dos spotniks é só idiota então não vou nem comentar.
    Fora o fato de que discordo deste argumento pífio de que taxar gente mais rica é um absurdo porque diminuiria o emprego. isso é algo que sempre foi usado pra continuar "enrabando" (desculpa o termo) o pobre e deixando o rico de boa.
    e finalmente, o vídeo apresentado é uma sketch, admito, nem é muito engraçada, mas o Freixo não é comediante então… dane-se. E o vídeo estava brincando exatamente com a caricatura que fazemos tanto da esquerda quanto da direita. os pelos como forma de liberação da mulher são uma brincadeira, porque ele é homem, então ra ra. as pessoas podem criticar o vídeo por não cumprir o papel de ser engraçado, mas não por estar prestando algum desserviço. ele está apenas querendo atacar as noções de radicalismo que servem para estigmatizar a esquerda, assim como este "artigo" está fazendo.

    ResponderExcluir
  15. Com a proliferação das drogas e da bandidagem, aumentam os interessados em eleger esse tipo de gente.

    Tavez ele dê secretarias para o D2 e para o Beira Mar

    Quem sabe, né?

    ResponderExcluir
  16. Nossa que artigo vazio! Falar que a juventude que vota no freixo não pesquisa!? A parte mais interessada em política no Brasil são os jovens! A maioria dos "experientes na política" mas sabem vincular o partido a candidato. A juventude hj é informada e vc passou uma vergonha enorme escrevendo esse artigo. Pesquise melhor pois o virgem aqui me parece ser você!
    ABS

    ResponderExcluir
  17. Jovens são imbecis, sem dúvidas.

    ResponderExcluir
  18. Autor comprado, como tudo pela direita, Mas uma tentativa de divulgar testemunhos escusos sobre o adversário.
    Vocês que são o erro. Aceita que dói menos.

    ResponderExcluir
  19. É sério que o pessoal dos textões acredita em um candidato de um partido cujo nome mistura socialismo e liberdade? Não há um exemplo na história de que essas duas coisas aconteceram ao mesmo tempo na face da Terra. Fora q é o partido de Luciana Genro e cia, que defendem regimes autoritários (sem liberdade, por óbvio, viram?). Partido q defende um estado maior, portanto, mais caro e consequentemente mais impostos e mais corrupção. Imposto é aquilo q o estado retira da tua produção pra fz o q bem entende. Todo partido de cunho socialista é assim: quer mais estado, pra cobrar mais impostos, pra desviar mais dinheiro. Não aprenderam com o PT,de onde o psol foi cagado? Isso já não é suficiente? Se vcs não têm apreço pela liberdade de vcs, td bem, mas não queiram tirar a liberdade e que o estado arranque mais dinheiro da produtividade alheia.

    ResponderExcluir
  20. Neoliberais. Quando se darão conta de que o modelo neoliberal só deu mais ou menos certo nos EUA? Países como a Dinamarca tem uma forte presença estatal disponibilizando serviços de qualidade para a população. Analfabetos politicos que não sabem distinguir entre comunismo, socialismo, Ditadura e um programa de políticas sociais.

    ResponderExcluir
  21. Excelente artigo !!! Mas para a juventude esquerdista (marmanjos que dependem de papai e mamãe) nada basta....Não leem, nada sabem e acreditam apenas no que os professores (falsos) dizem....Repetem o que ouvem...Vai Crivela !!!

    ResponderExcluir
  22. parabéns,agora pode fazer um dossiê desse sobre o Crivela e o Pedro Paulo também? para deixar claro as intenções e programas de governos dos outro candidatos, obrigado

    ResponderExcluir
  23. admiro muito pessoas de inteligência conseguir serem manipuladas com essa conversa fiado desse cara. gosta de manipular esses taus universitários que parece que parece de menti vazia cheia de fumaça, que apoiados por esse charlatão, causou toda aquela arruaça que acabou em morte. pessoas que não estão verdadeiramente comprometidos com verdeiras causas humanas a não ser seus próprios umbigos. lamentavelmente e o que vemos

    ResponderExcluir
  24. Comecei a ler o texto achando que seria uma crítica séria. Mas logo no começo quando vi que o autor alega não ser responsabilidade da prefeitura zelar pelo bom andamento e pela correção dos contratos, transferindo essa responsabilidade inteiramente para o poder judiciário, já deu pra perceber que se trata de mera crítica pela crítica, sem fundamentos razoáveis, com uma pretensão de profundidade. O final do texto, veiculando um vídeo que obviamente foi feito com intenções satíricas como algo a ser levado a sério, confirmou as suspeitas.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Não pretendo votar no Freixo, mas a maior culpada por esta situação é a sociedade carioca e a própria direita. Depois que tudo o que aconteceu ver Rio ainda correndo o risco de eleger o PSOL é uma das maiores provas de que a direita ainda é incompetente e patética e parece que ainda não aprendeu com os 13 anos de PT que ela precisa discutir questões sociais seriamente. Uma grande BALELA nessa reportagem é a respeito dos bebes nas caixas de papelão. O hábito de colocar recém nascidos em caixas de papelão vem da Finlândia, um país 1000 anos a frete do Brasil e até mesmo dos EUA. Existe todo um princípio nisso que vai da segurança ao conforto térmico que o papelão produz. A caixa normalmente era presenteada para a família do recém nascido e continha dentro um enxoval de bebe com kits, toalhas, chupetas, sapatos, mamadeiras etc. Tudo vem dentro das caixas que depois de abertas serem de berços. Com o tempo observou-se que o hábito seria útil também para crianças pobres por não ser caro e trazer mais segurança. Normalmente nas famílias carentes, os bebes são levados para dormir com os pais na única cama da casa, a de casal. Isso muitas vezes acaba em acidentes fatais como asfixia ou esmagamento. A caixa de papelão, servindo como berço evita isso. Hoje existem duas grandes empresas na Finlândia que promovem doações dessas caixas para países pobres. O que aparece nessa reportagem é na verdade uma especulação com esse fato.

    ResponderExcluir
  27. Texto extremamente reacionário, voltado para enfraquecimento de um ideal mais social.

    ResponderExcluir
  28. Texto extremamente reacionário, voltado para enfraquecimento de um ideal mais social.

    ResponderExcluir
  29. Até comecei a ler seu texto apesar de desacordar dele desde o começo tentei dar um voto de confiança. Me parece que você não mora no Rio de Janeiro, as empresas de ônibus aumentaram o valor das passagens muito acima da inflação sendo que com corredores exclusivos e ônibus articulados o custo diminui bruscamente e o lucro aumenta largamente. A qualidade do transporte não melhorou e o bolso dos empresários só engordou. Você se engana muito quando diz que o poder publico que desenhou as rotas de Brt, existem algumas estações do brt transoeste que são fantasmas que foram construídas para enganar que o brt passaria, nunca foram inauguradas, e o brt nunca chegou em Campo Grande zona oeste do Rio. Ao contrário do que você diz o freixo não fala que vai acabar com o brt ele fala que seria muito mais efetivo se fosse sobre trilhos e questiona o quanto a prefeitura é no mínimo omissa as exigências do empresasarios de ônibus, que são os financiadores de suas campanhas. Freixo fala em sua campanha que vai rever contratos suspeitos da administração atual pois a maioria, pra não dizer todos, beneficia claramente a iniciativa privada como o contrato da AP5 que diz que a empresa não precisa fazer saneamento em áreas consideradas de risco, onde mais necessita, mostrando claramente que o objetivo é o lucro e não a melhoria. As Os além de terem contratos duvidosos não são nem um pouco efetivas pois 54% da população considera a saúde o maior problema da cidade.
    Terminando, freixo vai governar pros mais pobres, pras favelas, pensando primeira no em prestar um bom serviço e não dar lucro pra empreiteiras que acumulam renda e aumentam a desigualdade da cidade.

    ResponderExcluir
  30. What's up, constantly i used to check website posts here in the early hours in the daylight, because i like to find out more and more. all of craigslist

    ResponderExcluir

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.