Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

4 mentiras que falaram sobre o governo Temer

Por Pedro Augusto

A mídia ex-chapa branca (Pragmatismo Político, Brasil 247, Caros Amigos etc) e alguns jornalistas que são simpatizantes ao PT, já começaram com o assassinato de reputações do governo de Michel Temer. Você com certeza já ouviu alguém comentar ou viu em alguns posts nas redes sociais pessoas dizendo que acabará o Bolsa Família; as aposentadorias; o SUS; o FIES e Prouni, além de já espalharem que as escolas e universidades serão privatizadas.

Tudo isto é estratégico. O PT desde que tomou o poder usa a estratégia de colocar terror na população para se manter no poder e continuará com isso até reconquistá-lo. Quem não lembra de Marina Silva sendo acusada de entregar o país aos bancos caso eleita ou de Aécio Neves sendo acusado de privatizar todo o ensino público e acabar com o Bolsa Família? Infelizmente muitas pessoas acreditaram e é assim que o PT procurará sempre se manter no poder: na base do terrorismo eleitoral. É tudo estratégico. E farão de tudo para se manter no poder, mesmo que mintam ou prometam algo e depois façam exatamente aquilo que acusaram seus adversários.


Antes quero deixar bem claro que esta matéria não se trata de defender Michel Temer, mas sim de mostrar como estão espalhando muitas mentiras para você.

1) Privatização das escolas e universidades

O programa do PMDB "Ponte para o Futuro", muito diferente do que Pragmatismo Político apontou, nem sequer chega a mencionar privatização do ensino. O que o plano na verdade diz é que há uma intenção de oferecer bolsas para estudantes em escolas privadas. É uma espécie de "Prouni do ensino médio".

Além do mais, enquanto muitos acusam Temer de querer promover uma precarização do ensino, os mesmos esquecem que as instituições públicas estão precarizadas há muito tempo e que Dilma fez cortes na educação. Em janeiro deste ano, foram cortados R$ 10,5 bilhões desta área. E já na véspera de seu afastamento, Dilma suspendeu a inscrição de novas pessoas no Programa de Bolsa Permanência(PBP).

2) Fim do Prouni e Fies

Como o Brasil 247 noticiou, aliados de Temer poderiam acabar com o Prouni. No dia 18/05, foi anunciado que o MEC suspenderia o Prouni e Fies. Mas calma, o que houve na verdade foi a suspensão de renovação deste programa para nove universidades como uma forma de punição, já que elas não teriam cumprido o procedimento regulatório em relação ao Fies.

Já Dilma cortou R$ 2,7 bilhões do Pronatec, e R$ 12 bilhões no Fies.

3) Fim dos programas sociais

O jornalista Felipe Pena, em sua coluna no Jornal Extra, disse que Temer faria cortes em programas sociais como o Bolsa Família. O que na verdade se pretende fazer é uma análise de quem está recebendo o beneficio, pois segundo relatórios da CGU (Controladoria-Geral da União), entre 30% a 40% estão desenquadrados na lei que determina as faixas de renda.

É bom lembrar que Dilma reduziu o Minha Casa, Minha Vida em R$ 4,8 bilhões.

4) Fim do SUS

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, foi acusado de acabar com o SUS por falar algo bem óbvio: é provável que no futuro não se tenha dinheiro para sustentar o SUS. A Receita Corrente Liquida da União (RCL), prevê que os gastos com saúde cheguem até 15% em 2022. Já o Plano Nacional de Educação (PNE), 10% até o mesmo ano.

Os economistas Mansueto Almeida Jr, Marcos de Barros Lisboa e Samuel Pessoa, realizaram um estudo ano passado sobre os gastos do governo. De acordo com eles, o INSS, que em 2014 era 7,14 do PIB, em 2018 deve chegar a 7,87%, e em 2030 a 8,67%. Para custear a previdência, que deverá ter um déficit de R$ 124,9 bilhões até o fim de 2016, mais os programas sociais, segurança, justiça e tantas outras áreas que a sociedade erroneamente demanda do governo, deverá ser criado um novo imposto como a CPMF a cada mandato presidencial até 2030. Ou seja: é um total suicídio econômico, porque isso prejudicaria e muito tanto o empreendedor, como seria uma grande queda no poder de consumo dos brasileiros.

Barros, simplesmente disse o óbvio e não sinalizou o fim do SUS. Ele está apenas mostrando que será difícil manter a saúde, que já está sucateada, com todo este aumento do orçamento que é previsto para 2022. A dívida pública é crescente e os gastos com previdência também. Será difícil cumprir a lei deste orçamento até 2022 a não ser que se aumente, e muito, os impostos.

E é bom lembrar que Dilma fez um corte de R$ 2,3 bilhões na saúde.

Terminando...

O ícone da esquerda norte-americana, Saul Alinsky, em seu livro "Rules for Radicals"(Regras para os Radicais), ao falar sobre essas "regras", ou estratégias para radicais ou esquerdistas vencerem na política, destacou que se "fizerem uma acusação gravíssima a oposição ela irá despedaçar". Outro "conselho" que ele deu dentre 12, é "o desenvolvimento de operações que irão manter uma pressão constante sobre a oposição". Tudo isto o PT faz desde a década de 1990 e agora se intensificará para voltar ao poder auxiliado por seus partidos satélites (PSOL, PC do B, PDT, PCB, PCO etc). Os exemplos já estão ai, onde acusam o novo governo de fazer coisas que ele não está fazendo.

Todos os simpatizantes do partido e seus políticos de agora em diante farão exatamente aquilo que Alinsky recomendou no seu livro. Aumentarão a pressão, tentarão fazer com que certas medidas não sejam tomadas por Temer ao fazê-lo se enquadrar nas regras petistas. 

Eles sabem exatamente o que estão fazendo. Preparem-se: vem muita mentira e terrorismo eleitoral por ai.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/