Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Refutando o post do "Quebrando o Tabu" sobre a derrota da esquerda brasileira

Por Wilson Oliveira

A página Quebrando o Tabu fez um post relatando o crescimento da direita liberal no Brasil face a derrocada da esquerda. Como no texto em questão há uma série de falácias, enganações, desinformações e incoerências, fizemos questão de refutá-los parágrafo por parágrafo.
  • Isso, Esquerda, fica aí se espancando. Se digladiando. Fica aí competindo quem caça mais esquerdo-macho. Compitam pra ver quem grita mais alto pra ‘tirar a guarda dos pais racistas’ no caso do Aladdin e seu filho adotivo. Disputem quem consegue derrubar mais páginas uns dos outros.
Se um esquerdista não sabe o motivo de lutar por pautas consideradas "menos importantes" por próprios esquerdistas, deveria estudar mais sobre Herbert Marcuse. E caso tome um susto, não fique preocupado. Sinal que ainda não está contaminado pela epidemia da relativização geral.
  • Você que é homem, cis, hétero, de esquerda, fique só reclamando que as feministas te perseguem. Que as militantes negras não te dão paz. Diga 'agora tudo é racismo'. Crie uma página só pra denunciar as 'Aventuras da Justiça Social' e faça mais do mesmo - perseguir mulheres em geral, negras e negros - mas dê uma roupagem nova: diga que essa perseguição e exposição é pelo bem dos progressistas. Que é tudo em nome da coerência.
Coerência, não. É tudo em nome da INcoerência. Afinal, quer algo mais incoerente do que dizer que luta pela igualdade enquanto investe na inversão da desigualdade? Acham mesmo que alcançarão a igualdade colocando negros contra brancos, gays contra héteros, pobres contra ricos? E não percebem que, enquanto isso, aumentam-se os conflitos e diminuem-se as soluções?


  • Criem mil esquerdas. Aquela que ama o PT da década de 80. Outra esquerda pra quem ama o PT da década de 90. Outra pra quem gosta do PT de 2000 em diante. Outra pra quem se desiludiu totalmente com os perversos projetos de poder desse partido. Criem uma esquerda só pro PSOL. Outra só pro PSTU. Não se esqueçam de uma esquerda bem fechada pro PCO e uma pro PCdoB. Façam a esquerda dos negros palmiteiros; depois outra esquerda pras negras anti-palmiteiros; depois outra esquerda pros indecisos quanto às cotas e uma esquerda pra quem tem certeza quanto às cotas. Não se esqueçam da esquerda que só aceita quem tem útero e repudia e humilha as trans.
O autor do artigo publicado na página Quebrando o Tabu parece ter um lado bem ingênuo. Realmente percebe-se que não há, nesse trecho, experiência no que é militância esquerdista. A formação desses blocos se dá por um único motivo, meu caro: a briga pelo poder. O estatizador só mira apenas um objetivo: usurpar poder através da obesidade estatal. Acontece que por maior que seja o Estado, nunca será possível abrigar todos os esquerdistas-populistas-estatistas. Então sempre haverá briga entre eles pra ver quem obtém mais poder estatal. Aliás, esse é o retrato da nossa política desde o fim do período militar (que tampouco não defendemos que volte!).
  • Vamos nos dividir em mil pedacinhos. Que aí vai ser mais fácil nos varrerem em 2018; que é pro Brasil ficar uma boa década sem políticas sociais. Pro Brasil voltar pro século 20. Vamos nos agredir sem precedentes, pra no final não sobrar nada de nenhum de nós e o país finalmente poder ser governado por alguém da bancada evangélica. Pra isso aqui virar um regime Teocrático Cristão. Fiquem achando que tudo isso é delírio. Que isso nunca irá acontecer por aqui.
Nesse trecho é possível encontrar os dois grandes pilares da derrocada esquerdista. Primeiro que a esquerda está tão mal acostumada com o monopólio da palavra que ela já toma pra si, com a maior naturalidade, o uso de alguns termos como "políticas sociais". São tão cegos e fanáticos que tapam os olhos para a melhor política social já criada, mas que eles são incapazes de colocar em prática: a liberdade para que o cidadão fique com o dinheiro gerado pelo seu próprio trabalho. A esquerda chama de política social todos aqueles programas que retiram dinheiro de uns pra tornar outros totalmente dependentes do governo e incapazes de progredir (é preciso garantir gente iludida que se transforma em voto). Segundo é o maniqueísmo tosco, burro e sujo. São tão imorais que resumem, na maior cara de pau, o termo "direita" à bancadas evangélicas. E não param por aí. Ainda desrespeitam o cristianismo, querendo empurrar que todo e qualquer cristão apoia aqueles pastores que entraram para política (que, aliás, em um momento ou outro se aliaram justamente com partidos de esquerda).
  • Pessoal acha que só porque conseguimos avanços sociais nas últimas décadas, que só por isso a coisa jamais vai voltar a ser retrógrada. Que os direitos humanos são coisa garantida. Filhote, a humanidade está cheia de exemplos de civilizações que avançaram e regrediram profundamente. Está cheia de exemplos de pessoas e grupos com boas intenções humanísticas que foram esmagados pelo stablishment. No Afeganistão e no Irã dos anos 60/70 a mulherada, livre, usava mini-saia na rua; usava biquíni na praia. E sabem por que esses países se perderam em regimes totalitários? Porque as forças progressistas não souberam aliar forças quando essas sociedades chegaram no limite da desavença.
É impossível fazer um texto para esquerdista sem recorrer o tempo todo a incoerências, falácias e até enganações. O autor desse que estamos refutando aqui comprova isso. É até engraçada a desonestidade intelectual e o contorcionismo para esconder um problema causado pelo que eles mesmos defendem: o aumento do Estado. Ora, o que são os regimes totalitários dos países muçulmanos senão o aumento ilimitado do poder do Estado? Aliás, é curioso como nesse texto do Quebrando o Tabu reclama-se da falta de liberdade no Afeganistão e no Irã, mas quando muçulmanos invadem a Europa para arrancar a liberdade da cultura europeia vemos esquerdistas ficando em silêncio ou até mesmo aplaudindo. Vocês deveriam ter vergonha na cara, isso sim!

  • ‘Ah, então quer dizer que eu tenho que andar ao lado de opressor só porque a esquerda quer ficar juntinha?’ Não. Não tem e não deve. Opressão deve ser combatida e denunciada. Mas, como disse uma leitora de uma versão prévia desse texto ‘enquanto vocês se matavam discutindo se a Jout Jout podia falar de feminismo, Bolsonaro virou Bolsomito’. E vou além: enquanto vocês discutem se o Emicida pode ou não namorar uma mulher branca, o Cunha segue firme e forte no cargo. E me responda sinceramente: O que é mais venenoso ao Brasil? O Emicida ceder à construção social e namorar uma branca ou o Cunha destruindo décadas de vitórias sociais em poucos meses como presidente da Câmara?
A falta de estudo propicia, mais uma vez, o uso inadequado de certos termos. Opressão? Não existe opressão maior que aquela causada por um Estado interventor e patrimonialista. Mas a esquerda insiste em colocar nas mentes insanas que um cidadão oprime o outro e que o Estado deve ser o salvador. É exatamente por isso que perdem tempo nessas discussões ridículas, como a exemplificada no próprio texto, em que discuti-se se o Emicida deve ou não namorar uma mulher branca. E ainda querem dizer que nós, da direita, é que estamos preocupados com as escolhas alheias...
  • É claro que a pauta da solidão da mulher negra é uma questão importantíssima. A sociedade nos constrói, desde crianças, pra achar a loirinha a mais linda. Assistam desenhos infantis, em todos eles personagens ‘lindos’ são loiros e de olhos azuis. É claro que os recortes de classe no meio progressista são importantíssimos, essenciais, mas com o Brasil caindo aos pedaços, criar caso dizendo que a Beyoncé capitalizou os Panteras Negras é, desculpe a expressão, burrice. É improdutividade no nível máximo. É preciso saber como e quais cobranças devem ser feitas. É preciso saber distinguir gente mal orientada de gente com má índole. As lacrações precisam entender o conceito de proporcionalidade. Estamos criando militantes viciados em encontrar as falhas no discurso alheio, nunca o acerto.
"As lacrações precisam entender o conceito de proporcionalidade. Estamos criando militantes viciados em encontrar as falhas no discurso alheio, nunca o acerto." Todos os militantes da esquerda possuem algum vício que colaboram para desproporcionalidade na sociedade. Enquanto uma pessoa não entender que a menor minoria é o indivíduo e que, por isso, essa é a minoria a ser preservada, "as lacrações nunca entenderão nenhum conceito de proporcionalidade". Repito: não adianta fingir que luta pela igualdade enquanto constrói-se coletivos de negros, de gays, de cotistas etc. É tão óbvio que isso apenas segrega ainda mais que chega a ser vergonhoso ficar alertando os militantes de esquerda sobre isso.
  • Eu confesso que fico meio perturbado com isso tudo. Perturbado porque que tem gente doidinha pra assumir o poder executivo e acabar com a política de cotas. Tem gente sedenta pra privatizar as prisões que hoje são de posse do Estado; gente que quer fazer o ato de prender dar lucro. Tem gente louca pra levar a militarização das PM’s a níveis nunca antes vistos - Alô, Alckmin. Tem gente louca pra vender a Petrobrás, o Banco do Brasil, os Correios, a Itaipú, a Infraero, desmatar a Amazônia inteirinha. Não são poucos os que pretendem fazer um pouco disso tudo ou um muito disso tudo. Aliás, vou além: se o Governo Dilma já coopera pra um desmatamento sem escrúpulos, imaginem só um governo neo-liberal ou um governo de direita: pior, imaginem num governo de direita-neo-liberal.
O simples uso do termo "neoliberal" já deveria ser o bastante pra desistirmos de refutar esse artigo do Quebrando o Tabu. Não é fácil se dirigir a quem insiste nos conceitos errados e resiste aos conceitos corretos. Mas sobre a privatização das prisões, é interessante como os esquerdistas reclamam da superlotação dos presídios e pedem prisão para homofóbicos e racistas. Vão colocar novos presos aonde, então? Não há outra solução a não ser construir novas unidades penitenciárias - situação que aliás demanda dinheiro, e que não queremos superfaturamento com verba pública. E não adianta pedir para soltar todos os que estão lá. Isso não é "direito humano", mas sim esculhambação.
  • Enquanto a gente se interssecciona (sic), o liberalismo se soma. As páginas liberais estão bombando. 100 mil likes, 200 mil likes, 1 milhão de likes, 2 milhões de likes. Nos comentários toneladas e toneladas de zumbis repetindo o mantra: "menos Estado; menos Estado; menos Estado." Essa galera que quer imposto de país Africano e desenvolvimento de país Escandinavo. Sabe essa galera que mamou na teta de papai e mamãe a vida toda e não suporta a ideia de que alguém possa depender do governo pra ter uma chance na vida? Ou mesmo sabem essas exceções (ou filhos e netos de exceções) que nasceram na merda, ralaram, ralaram, venceram na vida e acham que só porque eles (ou seus parentes) conseguiram, todos também conseguem? Então, esse povo está se alinhando e muito.
Aqui o autor deixa bem claro que luta para que as pessoas dependam do governo. E se posiciona contra àqueles que querem pessoas independentes e com progresso financeiro. Pelo menos isso a esquerda não faz questão de esconder: quer a multiplicação da pobreza para multiplicar a quantidade de eleitores. Mas agora eles estão se desesperando, pois estão vendo o aumento de pessoas que objetivam seu próprio sucesso, e não viver eternamente dependendo de governo, ainda mais os populistas-demagogos. Continuaremos pedindo menos Estado e continuaremos aumentando a quantidade de likes das nossas pages. E desde já avisamos: ainda está pouco.


  • O partido que mais está conseguindo chamar atenção nas redes sociais é o ultra-neo-liberal 'Novo'; e que até agora estou tentando descobrir o que tem de novo, pois é um partido fundado por um ex-banqueiro. Sim, minha gente, um ex-banqueiro fundou um partido e ele chama-se ‘Novo’; afinal é um puuuta novidade banqueiros querendo influenciar o poder público. Enquanto isso a Rede da Marina fica panguando. Enquanto isso o Partido Pirata no Brasil enrola, enrola, enrola e não sai do lugar. Enquanto isso o Edir Macedo aumenta seu império midiático chegando agora também aos cinemas. Enquanto isso, a galera que diz que hoje tem muito 'mimimi', se agrupa e se vê traduzida na fala de um Bolsonaro, de um Coronel Telhada, de um Alckmin, de um Celso Russomano. Enquanto isso as Polícias Militares humilham e descem o cacete em professor, em aluno, em quem quer transporte de mais qualidade e mais acessível, em resumo: a polícia se prepara pra espancar todo aquele que discordar dos governadores e dos prefeitos. Os defensores dessa brutalização policial estão tinindo na internet. Perderam o medo. Falam abertamente que ‘é tudo vagabundo’. Que ‘se vagabundo não fizer besteira, a polícia não vai encher o saco.’ Amigo, se a polícia também não fizer besteira, a sociedade também não vai encher o saco dela.
A sociedade, vírgula. Não misture alhos com bugalhos. Apesar dessa interminável e inescrupulosa mania de resumir tudo a fatias específicas, nós, defensores da liberdade e da verdade, continuaremos colocando tudo em seu devido lugar. A sociedade não se resume aos black blocks, que veem na palavra "protesto" a oportunidade para depredar, quebrar, colocar fogo, enfrentar, brigar, expulsar dos transportes, fechar vias, enfim, atrapalhar a vida daqueles que realmente representam a sociedade. E se vocês trabalhassem com a verdade, teriam a capacidade de fazer uma análise honesta do partido NOVO. Mas não podemos esperar inteligência dos que chamam o PSDB de "direita".
  • Briga mais, esquerda. Briga mais que tá pouco. Briga muito porque têm poucas alas da direita liberal se aproveitando do barraco pra finalmente levarem 90% do Congresso em 2018, governos estaduais pelo país todo e também a presidência da república.
Se a esquerda está brigando ou não, não nos interessa. Mas sim, a direita liberal está crescendo e vai crescer ainda mais. O Brasil nunca teve um governo de direita liberal. E no dia que tiver, o povo enfim poderá conhecer o outro lado da moeda. E vocês irão lamentar ainda mais. E se quiserem sair por aí quebrando tudo, podem ter certeza que pediremos cadeia para todos os vândalos.
  • Quando revogarem a CLT, privatizarem a porra toda, ultra-militarizarem até guardinha civil, quando acabarem com as cotas para os estudantes de escola pública e para os negros, quando triplicar a perseguição a homossexuais e transsexuais, quando colocarem a Bíblia pra ser estudada nas escolas e quando destruírem a vida de qualquer pessoa que subir no Parlamento pra falar de direitos humanos, quem sabe aí vocês acordem pra tudo que está acontecendo.
Vocês, pelo visto, possuem total propriedade para falar sobre perseguição a homossexuais, já que veneram tanto os países que seguem o socialismo, onde homossexuais sempre foram perseguidos. Mas sobre direitos humanos vocês realmente não sabem nada, pois confundem direito com o ato de defender os que infringem o direito alheio (ou seja, os criminosos). É por isso que a máscara de vocês está caindo, é por isso que a verdade está chegando à tona, é por isso que o movimento liberal não para de crescer, é por isso que as pessoas pedem cada vez mais liberdade. A própria incoerência de vocês proporcionou essa guinada. Saibam que foi justamente no governo do PT que começamos a ver uma direita liberal surgir no Brasil. Apesar de tudo de ruim que vocês sempre fizeram, ainda assim temos motivos para lhes agradecer. Nós não saberíamos mostrar os defeitos da esquerda com tanta habilidade como a própria esquerda tratou de fazer anos a fio.

2 comentários:

  1. Parabéns! Temos que mostrar aos que ainda pendem para esses pensamentos de esquerda a verdade fora do conto de fadas que é contado por sites e revistinhas como quebrando o tabu, carta capital... O problema é que ainda tem muita gente que não tem a mínima noção de política e de história e cai nessa conversa, que além de direcionada é incorreta e incoerente. Temos que corrigir e mostrar a verdade.

    ResponderExcluir
  2. Refutações intocáveis. Parabéns.

    ResponderExcluir

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/