Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Movimentos feministas e afins



Por Ricardo Vitorino do Nascimento

Por movimentos afins, eu me refiro a todo e qualquer movimento que lance mão dos mesmos métodos que o feminista, ou seja, protestos, passeatas, etc ainda que a pauta das reivindicações não tenha a ver com as mulheres.

Este não é um trabalho erudito. Não vou me prender às fórmulas consagradas, autores renomados, etc. Vou me limitar a emitir minha opinião embasada e a conclusão que cheguei a respeito deste e de outros movimentos.

Conheço a história do movimento feminista desde as sufragistas na 1ª onda, a 2ª onda no início dos anos 80 e a 3º onda atual, mas também não me prenderei a isto. Esta é uma análise particular, onde, obviamente considerando os fatos e dados, respondo somente a minha consciência. Isto esclarecido, vamos ao texto.

Por que há um movimento feminista ou que busca direitos das mulheres e não há algo similar em relação aos homens, um movimento 'machista' ou pelos direitos dos homens? Feministas dirão que é porque vivemos sob uma sociedade patriarcal. Outros, liberais por exemplo, podem dizer que as mulheres não tinham/têm os mesmos direitos que os homens. Em alguns pontos podem ter razão, mas sociedade patriarcal? Será?

No mundo atual, há pelo menos muitos séculos o homem saía para trabalhar e ficava praticamente o dia inteiro fora de casa, chegando à noite, cansado. Onde estavam os filhos? Com a mãe! As meninas e os meninos eram criados e educados pelas mães, auxiliadas pelas avós, irmãs, etc enquanto aos homens cabia o trabalho, praticamente sem influência nenhuma na educação dos filhos.

Com a chegada da escola pública e depois da chegada da mulher ao mercado de trabalho, isto mudou? Não são mais as mães que educam, são as 'tias', são as mulheres que compõem quase a totalidade dos professores da rede pública. Antes dos seis, sete anos a criança ainda vai para a pré-escola e talvez até para a creche, berçário e maternal. Algum homem neste meio? Desconheço! Se houver, será de uma insignificância que se começa contar depois do 0,00. Após o ensino fundamental, onde no mínimo 80% dos professores são mulheres, irão para o ensino médio onde talvez esta proporção caia pra uns 70% e enfim vão para o vestibular com 17, 18 anos.

Sendo direto, o menino é educado até perto dos 20 anos quase que exclusivamente por mulheres! É a isto que chamam de sociedade patriarcal? O que seria uma sociedade matriarcal, então? Como referência podemos citar Esparta onde aos 7 anos de idade o menino era retirado da mãe e criado até os 30 como soldado! Se nossa sociedade é patriacal, Esparta era o que? O argumento de que e a nossa sociedade atual é patriarcal não se sustenta. Nossa sociedade pode ser qualquer coisa, menos patriarcal!

Há muitos e muitos milhares de anos, muito antes da revolução da agricultura no neolítico superior, aprox.10.000 a.C, os seres humanos se desenvolveram como caçadores-coletores. Embora aparentemente no começo e ainda em alguma tribos tardias como os Sármatas (Germania, Tácito) e até algumas atuais as mulheres fossem para a caça junto com os homens, na maioria dos casos esta era uma obrigação masculina.

Cuidar dos filhos recém-nascidos e frágeis, presas fáceis para animais selvagens, além de uma série de características femininas (odor do sangue menstrual, hormônios, etc) poderia afastar as presas, animais de sentidos muito mais aguçados, dificultando a já difícil tarefa de caçar. Assim durante milhares, talvez milhões de anos, o homem se desenvolveu caçando e a mulher coletando e cuidando dos filhos e da 'casa' (a caverna, a cabana, o que fosse).

Enquanto caçador, o homem desenvolveu habilidades que foram cruciais para o seu sucesso, como permanecer em silêncio por longos períodos, afinal animais tem audição muito mais aguçada; ter o foco, 'visão de fundo' (mira) e disciplina para perseguir um animal; saber escolher a presa. De nada adiantaria atingir um mamute se não pudesse levá-lo pra 'casa', identificar pegadas, seguir rastros, etc.

Isso moldou o cérebro masculino, já condicionado pela testosterona, de tal modo que hoje no séc. XXI nós somos também relativamente calados em comparação as mulheres (falamos 5 mil palavras/dia, elas 25 mil/dia), não demonstramos sentimentos (crucial para a sobrevivência quando se esta frente a um animal selvagem, leões por ex. sentem o 'cheiro do medo'), etc.

Do mesmo modo, as mulheres se desenvolveram em 'casa', coletando, cuidando dos filhos, se comunicando umas com as outras, se ajudando, trocando experiências, demonstrando necessidades a fim de serem 'entendidas', etc. Da mesma forma que os homens, isso moldou o cérebro feminino para que hoje as mulheres fossem como são.

Agora começamos a chegar no ponto que eu quero, uma das características das mulheres é se expressar, se comunicar, se fazer entender. Ora pra ter uma necessidade real, prática, objetiva suprida, ora pra ter outro tipo de necessidade feminina suprida, porém subjetiva.

Por exemplo, quem já leu algum livro do tipo 'Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus', já viu o exemplo de que quando uma mulher reclama, desabafa, faz algum comentário, o homem para, pensa e propõe uma solução. Ela não diz nada, ele entende que aquela solução não agradou, pensa numa segunda, propõe, ela não diz que sim, nem que não, ele entende que esta também não serve e pensa numa terceira, propõe, ela fica calada... Agora ele já está com raiva e solta um: 'Mas nada que eu proponho você aceita, então se vira!' e ela chora!

Neste momento eu sei que todos vocês já se identificaram com o texto, já passaram por situações assim um bom número de vezes. Por quê? Simples, o homem é programado pra buscar soluções. Quando precisava caçar, tinha que fazer armadilhas, escapar de animais selvagens, tinha que ter pensamento lógico e rápido. Mas quem disse que a mulher quer soluções? Ela só quer desabafar, se expressar, pôr pra fora o que esta sentindo. Ela tem necessidade disso, não quer que a gente resolva problema nenhum (neste momento) e por isso às vezes não consegue se expressar e muitas vezes é confusa (ou nos confunde) e não sabe bem o que quer, porque na verdade não quer nada, quer apenas expressar seus sentimentos.

A essa altura, os mais espertos já entenderam meu ponto. O que são os movimentos feministas e afins e por que não há um correspondente machista? Nada além da nossa natureza gritando através de todos nossos poros o quanto homens e mulheres somos diferentes! Nada além da necessidade feminina de se expressar, se comunicar, de reclamar, etc, só que isso feito de forma coletiva, organizada para buscar por direitos ou seja lá qual for a pauta! Não se vê, salvo raríssimas exceções e justamente nos últimos tempos, homens 'lutando por direitos'.

Por mais que se possa falar em greve, direitos civis, abolição, etc são exceções, mesmo nos tempos antigos quando a escravidão era a norma, e a preocupação dos escravos homens era ganhar dinheiro o bastante pra comprar sua carta de alforria. Se tornar um liberto e quem sabe comprar seu próprios escravo, não lutar pelo fim da escravidão! Um homem desempregado procura um trabalho. Se acha que está ganhando pouco, pega dois empregos, faz bicos, rolos, compra e venda, etc. Ou seja, ele se vira, vai atrás do que é dele primeiro, sem pedir ajuda, muitas vezes sem nem comunicar a própria família! (quanta diferença em relação às mulheres). E em último dos casos, ele está mais preocupado em ter uma cerveja gelada que em 'reivindicar direitos'!

Pergunte a qualquer homem e verá que ele se importa mais com o futebol ou o MMA que em organizar um coletivo de um movimento para buscar direitos dos homens ou algo parecido. Tente propor algo parecido a um homem e veja sua resposta!

Pra finalizar, reconheço o valor dos movimentos feministas de 1º onda, das sufragistas como Harriet Taylor Mill e Marianne Weber e alguns pontos da 2º onda de Camille Paglia. Mas não vejo nada de positivo (muito pelo contrário, só vejo algo muito negativo!) na 3º onda atual. Mas como eu sempre digo, feminismo e anti-feminismo, pró-mulher ou anti-mulher, não é algo com que eu me preocupe, não é algo com o que eu perca o meu tempo. Essa não é uma guerra minha.

Entendo que é só a natureza feminina se expressando como sempre foi há milhões de anos quando elas estavam preocupadas com as crias e nossos ancestrais estavam caçando. O que eu realmente penso a esse respeito, o que realmente me preocupa, o que realmente me interessa nisso tudo é assistir uma boa luta de MMA bebendo uma cerveja bem gelada depois de um dia de trabalho puxado! Saúde!

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/