Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

[OPINIÃO] Não existe injustiça. Os mais ricos são os que mais geram riqueza

Por Pedro Augusto

Os mais diversos sites de notícias nos informaram que de acordo com a ONG Oxfam, as 62 pessoas mais ricas do mundo tem o mesmo patrimônio que 3,5 bilhões de pessoas. Em uma olhada rápida e já que somos influências desde a escola por uma visão marxista da economia, podemos achar isto é uma grande injustiça, mas um olhar mais frio da realidade nos mostra algo diferente.

Estes 62 tem uma coisa em comum: são todos grandes criadores de riquezas, que graças a isso geram milhões ou até bilhões de empregos e inovação dos mais diversos produtos que trazem algum tipo de benefício a nós consumidores. Um exemplo é o empresário norte-americano Bill Gates, dono da Microsoft, que revolucionou os computadores, que você provavelmente está usando para me ler.


Bill Gates com suas ideias revolucionárias na área da informática fez algo que melhorou o seu computador, que facilita o armazenamento de arquivos, ajudando você a não ter mais em sua casa folhas e folhas. O computador também possibilita o uso da internet, que facilita a comunicação entre pessoas distantes, a divulgação de ideias, notícias, entretenimento e tantas outras utilidades.

O que faz pessoas como Bill Gates serem muito ricas é que elas criam algo de valor, que facilitam e dão comodidades a vida de milhões de pessoas que acabam consumindo estes produtos. Pessoas como Bill Gates são muito mais ricas que a imensa maioria das pessoas porque criam riquezas através de suas ideias numa quantidade muito maior que a maioria das pessoas pelo mundo. E como acabamos dando valor ao que eles produzem por vermos alguma utilidade naquilo, eu, você e outras milhões ou até bilhões de pessoas consumimos estes produtos, o que acabam gerando mais dinheiro para eles. Eu, por exemplo, trabalho, mas não crio nem 0,5% de riqueza como Gates.

Mas ai você pode se questionar porque eles não compartilham sua riqueza igualmente entre seus funcionários. Estes empresários investem um dinheiro em mercadorias que muitas vezes eles não sabem se terão algum retorno, tanto pelas variações do mercado como pela incerteza de agradar ou não o público consumidor. Se nós não gostarmos, eles perdem dinheiro, logo é uma atividade que envolve riscos diretamente ao dinheiro deles. E sem contar que muitos para chegar onde estão hoje arriscaram muito tempo e dinheiro, sem saber se haveria algum retorno.

Outra coisa que é bom destacar é o que o economista Ludwig Von Mises alertava muito bem: somos mais ricos que muitos reis, rainhas e senhores feudais do passado. Graças a riqueza que muitos empresários criam, temos uma qualidade de vida, conforto e acesso a coisas que muitos ricos do passado nem imaginariam que existiriam. Hoje, por exemplo, no Brasil, qualquer pessoa de classe média baixa tem um celular que além da comunicação, tem internet, tira fotos, etc. Logo, quanto mais riquezas estes empresários criam, mais ricos em relação ao passado nós também ficamos.

Nem tudo é perfeito 

Não sei a historia de todas essas 62 pessoas, mas me arrisco a dizer que pelo menos um tem algum monopólio garantido pelo governo de seu país. Embora mesmo assim eles criem muitas riquezas, com um mercado sem intervenções e dando chances para a livre iniciativa dos indivíduos, mais pessoas com ideias inovadoras poderiam enriquecer e gerar mais empregos e oportunidades. Também não podemos esquecer que na maioria esmagadora dos países, incluindo o Brasil, há um mercado que é no mínimo parcialmente fechado e que não oferece oportunidades para outras pessoas enriquecerem mantendo as vezes sempre os mesmos no topo.

Se você ainda continua achando tudo injusto, eu te pergunto: você cria riquezas ou algo de valor na mesma proporção destes 62 e que alcançam milhões de pessoas pelo mundo? Se a sua resposta for não, está explicado porque eles tem bem mais que você.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/