Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

O Partido Social Liberal começa 2016 com guarda-roupa repaginado


Por Ana Zanatta

O Partido Social Liberal, de sigla PSL e número eleitoral 17, obteve seu registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral em 1998. Desde então, já teve até candidato a presidente e a governador, além de outros cargos menos expressivos. Porém, atualmente, tem apenas um deputado federal titular, Macedo (CE), além de alguns poucos deputados estaduais, prefeitos e vereadores pelo Brasil. Em 2014, o PSL fez parte da coligação da candidata Marina Silva à presidência da República.

No final de 2015, porém, o PSL começou a ser motivo de comentários pelas redes sociais por conta de sua propaganda partidária na TV. E nas primeiras semanas de 2016, o movimento na internet ao redor do PSL vem aumentando a partir da chegada de nomes como Fabio Ostermann, Mano Ferreira e Felipe Melo França à liderança do partido. A página do PSL no Facebook vem crescendo, assim como a página da ala mais jovem/libertária do partido, o LIVRES.

Fabio Ostermann

Embora recentemente o PSL tenha publicado a imagem abaixo na sua página no Facebook, afirmando que eles são um partido puramente centrista, a mesma página e o site do partido não hesitam em afirmar que a ideologia defendida pelo partido é o social-liberalismo, de acordo com o nome do partido. Mas que bicho é esse social-liberalismo? Um passeio rápido pela Política, História e Filosofia ao redor do mundo nos traz alguns nomes ligados a essa ideologia, por exemplo: John Stuart Mill, Friedrich Naumann, John Keynes, Norberto Bobbio, Miguel Reale, John Rawls e José Merquior.

Responda rápido: esses nomes estão em um centro puro ou no centro-esquerda?

Responda mais rápido ainda: existe centro puro?

Longe de mim querer desmerecer a contribuição dos intelectuais acima para a filosofia política mundial, mas acredito que, assim como não é possível comprar exatamente 1 kg de feijão, não é possível existir um centro-centro na vida real. Por esse motivo, sistemas de qualidade admitem uma certa tolerância para pesos e medidas. Se formos rigorosos, o peso do feijão é ligeiramente mais ou ligeiramente menos que 1 kg, ou seja, um pacote de feijão tende a pesar 1 kg. Pense na infinidade de números existentes entre 1.0000000000 e 1.0000000001.


Será mesmo que o PSL consegue ser 100% de centro? Ainda mais defendendo o social-liberalismo? Onde eles encontraram essa precisão toda? Por que a maioria dos novos movimentos políticos tem esse fetiche todo pela rejeição da dicotomia esquerda-direita? O PSL está mais próximo do liberalismo clássico ou da social-democracia? Esse papo de “terceira-via” vai enganar quantos trouxas desta vez?

Ainda é muito cedo para responder a essas e outras tantas questões. Mas, antes de comemorar a mudança das cores institucionais do PSL, a ida de Fabio Ostermann para o mesmo ou a constante repetição da palavra “liberdade” no Facebook do partido e por seus admiradores “fogo de palha”, devemos ter certeza do chão onde estamos pisando para evitar arrependimentos futuros. Afinal, não podemos esperar que uma macieira dê pêssegos.

2 comentários:

  1. Perfeita análise. Esclareceu bem as coisas.

    ResponderExcluir
  2. Centro liberal, entre a centro esquerda socialista e a centro direita conservadora.

    ResponderExcluir

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/