Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

O Menino e o Mundo: filme brasileiro peca por criticar capitalismo e poupar políticos e Estado



Por Mayconn Tulio
Autor convidado

Hoje assisti a este filme indicado ao Oscar de melhor animação e o incômodo que eu senti ao terminar de assisti-lo ainda não passou.

A história trata sobre pessoas que saem do campo e vão em direção à cidade grande, em busca de oportunidades, mas tudo contado sob a perspectiva de uma criança (os carros sendo representados como grandes animais é bem interessante). Sendo o filme uma crítica à sociedade consumista, com panfletos comerciais e lixo em todo o lugar.

Os vilões do filme são o capitalismo, a industrialização, o capital estrangeiro. Segundo os produtores do filme, são estes os responsáveis pela miséria e a exclusão social.

Mas nenhuma crítica ao Estado que, por muito tempo, permitiu às pessoas morrerem de fome no sertão, sem mover uma palha. Nenhuma crítica à classe política que, desde à Independência, governa para si mesma e dificulta a atividade de profissionais autônomos e empreendedores.

A cena que mais me marcou foi a que dezenas de homens oriundos do campo chegam à cidade, vestidos exatamente da mesma forma à procura de emprego, situação que vai se repetindo com o passar das gerações.

O filme é bonito e divertido nos primeiros minutos e vai se tornando mais triste e desconfortável com o desenrolar. Vou torcer por ele no Oscar apenas por ser brasileiro, mas ao tentar buscar os responsáveis pela situação desoladora de parte da população, o filme falhou miseravelmente. Considero 'Uma história de amor e fúria' mais bem-sucedido neste quesito.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.