Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Entre o black bloc e a crise econômica brasileira


Por Luís Henrique

Nas últimas semanas, os telejornais de todo o Brasil estão divulgando boletins sobre novas manifestações. Desta vez, não são referentes a nenhum pedido de impeachment ou uma revolta sobre os escândalos de corrupções, mas sim sobre o aumento das tarifas dos transportes públicos. As manifestações estão ocorrendo em consequência de um reajuste de R$ 0,30 nas passagens de ônibus, trem e metrô na cidade de São Paulo, por exemplo. A tarifa passou a ser agora de R$ 3,80. 

A princípio, as manifestações parecem denotar coerência, afinal, o serviço prestado de locomoção em massa é de péssima qualidade, e as tarifas cobradas pelo mesmo são altas. Entretanto, o Movimento Passe Livre (MPL), que é o principal responsável pelas manifestações que estão ocorrendo na capital do Estado de São Paulo, demonstra certa esquizofrenia e/ou hipocrisia.


O MPL, que é um grupo com um viés de extrema-esquerda, demonstra um analfabetismo econômico seríssimo. Eles são contra o aumento das passagens de ônibus e pedem que o transporte sejam gratuito, se esquecendo que para isso outros tantos impostos seriam aumentados, fazendo com que a vida de quem ônibus, metrô ou trem fosse ainda mais dificultada. Outros fatores que eles também não consideram é que em 2015:
  • a inflação superou os 10%
  • o salário mínimo teve um aumento superior a 11%
  • os combustíveis tiveram reajuste superior a 20%
  • os incentivos fiscais para a indústria automotiva foram cortados
  • a alta do dólar encareceu os ônibus e as peças utilizadas na reposição
Os manifestantes que pedem maiores impostos sobre as empresas são os mesmos que pedem o seu serviço e/ou produto mais barato. E se você, esquerdista, acredita que aumentando os impostos sobre as empresas irá reduzir os lucros dos empresários, você é um idiota. Ao contrário do que muitos pensam, um empresário não é idiota, logo, ele não gostaria de perder os seus lucros. Portanto, se você aumentar os impostos, e em conjunto a inflação e o salário mínimo, ele poderá tomar duas atitudes para resolver este problema:
  1. Repassar os custos ao consumidor
  2. Demitir boa parte dos empregados já contratados
Em qualquer uma das alternativas, os principais prejudicados serão sempre as camadas mais baixas da sociedade. Então, me sinto no direito de lhe dar um conselho. Antes de destilar asneiras aos quatro ventos, estude economia.

Terminarei este artigo com uma frase de Milton Friedman, economista da Escola de Chicago: "Não existe almoço grátis."


Saudações capitalistas!

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.