Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

Nem direita nem esquerda: alguns liberais/libertários preferem ficar fora da política


Por Wilson Oliveira

Acho que alguns liberais/libertários querem ser liberais/libertários por fora da política. Não percebem que existem disputas em todos os lugares, e que ser de esquerda ou ser de direita não significa se limitar dentro de um "quadrado ideológico", mas sim estar mais próximo de um ou de outro.

Quando um liberal/libertário dizia que não era nem de esquerda e nem de direita, eu achava que isso se devia ao fato dessa pessoa querer ter liberdade pra concordar e pra discordar de quem quisesse, independente do interlocutor ser esquerdista ou ser direitista. E sempre vi isso como um posicionamento incompleto, pois a coisa mais comum no mundo da política são esquerdistas discordando entre si e direitistas discordando entre si (basta analisar as disputas eleitorais em qualquer país que possua um debate político sólido).

Ou seja, é óbvio que esquerdistas e direitistas não possuem opiniões e posicionamentos uniformes. E isso também não impede a existência de um universo político de esquerda, que prima pela igualdade (forçada ou não), e outro de direita, que prega a liberdade do individualismo (de forma plena ou não).

No entanto, após algumas reflexões, vi que possivelmente estou enganado. Talvez seja mais apropriado dizer que esses liberais/libertários que se dizem não ser de esquerda e nem de direita queiram ter sua posição sem "fazer parte da política". E casa bem com as preocupações que eles demonstram ter. Porque não fazendo parte da política, eles não precisam concordar com políticos de direita e nem de esquerda, assim como também não precisam se preocupar se estão mais próximos de um ou de outro.

Não fazendo parte da política, eles sequer possuem a necessidade de manifestar apoio a um lado ou a outro quando estiver diante de uma disputa entre esquerda x direita. Afinal, trata-se de uma disputa dentro da política, o que automaticamente se refere a quem pertence a um lado ou a outro.

E essa minha conclusão momentânea poderia ser apenas um objeto de reflexão. Poderia. Mas também é um objeto de preocupação. Por mais que esses liberais/libertários queiram se posicionar "por fora da política", as grandes decisões que influenciam a vida de esquerdistas, direitistas e a deles também acontece a partir de decisões políticas. E essas decisões são tomadas por políticos de esquerda ou de direita.

Não existe ator político que se posicione por fora da política. E os políticos que se dizem não ser nem de direita e nem de esquerda, acabam caindo no fisiologismo e transformando seu mandato num negócio, pois não sendo nem de um nem de outro ele também não precisa apresentar um projeto claro e tangível.

E no momento, no Brasil e em vários países da América Latina, tais decisões são tomadas por políticos de esquerda com apoio dos militantes de esquerda. E são combatidas por políticos e militantes de direita, que infelizmente se mostram ser minoria diante do autoritarismo aplicado por essa esquerda latino-americana organizada há mais de décadas. Esse combate poderia ser muito mais forte e mais organizado. Mas infelizmente tem muita gente preferindo ficar "fora da política".

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.