Expresso News

[expresso-news] [twocolumns]

Colunistas

[colunistas][bleft]

Entrevistas

[entrevistas] [twocolumns]

Economia

[economia] [bsummary]

[OPINIÃO] O que JBS fez com partidos como PT, PMDB e PSDB chama-se "capitalismo de estado". Devemos lutar contra isso!



Por Wilson Oliveira

No Brasil é muito comum as pessoas olharem para o capitalismo de forma negativa (exemplo: veja esse vídeo do Instituto Millenium). Justamente pelo fato de sermos o país de um futuro que não chega nunca, vivemos um presente que não agrada quase ninguém. Enquanto alguns poderosos com o bolso cheio de propinas possuem tudo o que querem, a grande massa assalariada trabalha, trabalha, trabalha, mas só enxerga grandes cifras de dinheiro nas reportagens dos esquemas investigados pela Lava Jato. Pensar em algum tipo de luxo, então, chega a ser um delírio. Como ir para os Estados Unidos esquecer um pouco os problemas se no final do mês as correspondências que chegam pela caixinha do correio levam o dinheiro todo e ainda fica faltando conta a ser paga? Mas para o Joesley Batista isso é possível. Enquanto o Brasil pega fogo ele está numa boa em Nova York.

Daí quando chega a época de eleição, todos os candidatos possuem as mesmas propostas. Eles falam que vão trabalhar para melhorar a nossa vida, dando mais escola, mais saúde, mais segurança, mais transporte, mais emprego, mais um monte de historinha furada que a gente até esquece. Na verdade são tantas promessas que nem eles são capazes de lembrar, já que só possuem cabeça para negociar propina de campanha e vantagens em troca de votações no Congresso. E a gente sabe que o próximo também vai prometer e também não vai cumprir. Parece uma ciranda cirandinha em torno de uma ilusória "justiça social".

E lá se vai o tal do "capitalismo", com alguns empresários ligados a políticos tendo bastante dinheiro e uma cacetada de cidadãos simples cuja a única coisa que conseguem acumular é dívida. Também, olha o tanto de imposto que a gente tem que pagar sem nem perceber, pois estão embutidos no preço de praticamente tudo que compramos ou utilizamos. E esse é o grande xis da questão! Como vamos separar dinheiro para pagar nossas próprias contas se temos que pagar as contas do governo, de todos os partidos viciados em mamar nas tetas do Estado e ainda ver empresas privadas sócias do Estado que também se aproveitam da situação?


Nós, brasileiros e brasileiras, vivemos num sistema chamado "capitalismo de estado". Ou seja, o capitalismo só existe para quem é íntimo do Estado. Para nós, pagadores de impostos, só resta a porrada na cara dia após dia. Sabe aquela frase batida que diz "trabalhamos quase seis meses só para pagar impostos"? Se você está em pé, sente-se. Se está sentado, segure-se. É a mais absoluta verdade! Enquanto você trabalha, o Estado coloca a mão no seu bolso e pega boa parte do seu salário. De toda a riqueza que um indivíduo produz no Brasil, 44% fica com o governo e com seus sócios. Os burocratas dizem que esses 44% da riqueza anual de cada um de nós é para "melhora das nossas vidas, com mais escola, mais saúde, mais segurança, mais transporte, mais emprego e mais um monte de blá blá blá".

Vai dizer que isso não é maravilhoso? Claro que não é! Porque isso não existe! A gente paga, mas eles não dão retorno quase nenhum. E nunca vão nos dar. Acreditar em inúmeros serviços de qualidade vindo do governo disfarçados de gratuidade é mais ilusório do que acreditar no Papai Noel desfilando em trio elétrico nas ruas da Venezuela. E por que não nos retribuem bosta nenhuma? Ora, porque isso é insustentável. Já viu o tamanho do Brasil? Somos um aglomerado de cidadãos espalhados em inúmeros estados que vivem pendurados nos governos como se fossem dentes infantis prestes a cair, sem nenhuma condição para crescer financeiramente. Já viu quantas pessoas formam a população brasileira? Como o governo vai cuidar do bem-estar de mais de 200 milhões de pessoas? "Ah não, mas não é pro governo cuidar de mais de 200 milhões não. É só de quem não possui condição", dizem os esquerdistas elitistas. E o governo por acaso cuida de quem não possui condição?

Essa é a grande diferença para o capitalismo de mercado, onde o Estado (leia-se: políticos aproveitadores do trabalho alheio) possui poder bem menor para interferir na nossa vida econômica com o propósito de roubar o nosso dinheiro. No capitalismo de mercado, a movimentação da grana fica por conta da própria sociedade civil. Não há uma pesadíssima carga de impostos como no Brasil, pois os indivíduos ficam com uma parte bem maior da própria riqueza para decidirem como usar. Não há candidato prometendo mais isso, mais aquilo e aquilo outro em nome de uma "justiça social" que nada mais é que o socialismo do século XXI. No capitalismo de mercado (o oposto da tal "justiça social), você é quem promete para você mesmo o que fazer com o seu próprio dinheiro.

Mas o principal no capitalismo de mercado é que o governo também fica limitado no campo da economia a cuidar das regras através da Justiça. Mas quem cuida das empresas somos nós, a sociedade civil, tornando muito menos atrativo fazer negócios com políticos. É através de algo muito sagrado chamado livre concorrência que possuímos a possibilidade de escolher qual marca queremos, qual possui o melhor preço (ou o menos pior), o melhor serviço (ou o menos pior). Agora, imagine se houver apenas uma opção: a empresa do governo ou a empresa privada que é sócia do governo. Qual chance de um serviço ou um produto feito pelo governo ou pelos sócios do governo ser bom? E se for ruim e você só tiver aquela opção, como fazer?

Portanto, a palavra capitalismo significa a troca de bens visando o lucro, ou seja, é apenas uma relação comercial. Mas a diferença está em quem tem autonomia para desenvolver essa relação. No capitalismo de mercado somos nós, os cidadãos, com nossas empresas (seja ela micro, pequena, média ou grande) ficando longe das mãos do governo. Mas no capitalismo de estado tudo tem que passar pela mão de um estado centralizador, que absorve boa parte da nossa riqueza, inclusive se utilizando de suas próprias empresas, as chamadas estatais, que ajudam o governo a usar essa grana da forma que os políticos acharem mais justa. E desde quando político está preparado pra fazer justiça social? A única justiça que eles tentam fazer é a separação da propina. E até nisso parece haver traição. O que a JBS fez em parceria com partidos como PT, PMDB e PSDB tem que servir de lição para nós quando formos votar nas próximas eleições.

Nenhum comentário:

Os comentários ofensivos e anônimos serão apagados. Daremos espaço à livre manifestação para qualquer pessoa desde que não falte com o respeito aos que pensam diferente.

http://www.ocongressista.com.br/